uma salopete

No início desse ano, minha irmã me enviou uma fotografia de sua cunhada, ainda bebê e toda sorridente, sentada em um balanço e vestindo uma salopete de crochê azul claro.

Não foi nenhuma surpresa quando minha irmã me perguntou se eu conseguiria fazer uma releitura da peça em tricô. Ela queria presentear a filha de sua cunhada, a pequena Valentina, com uma peça igual à que sua mamãe usou quando era bebê.

tricô em prosa - uma salopete - frente da salopete

Das inúmeras qualidades de minha irmã, sempre me tocou o quanto ela é atenciosa com as pessoas, o quanto valoriza suas histórias.

Aceitei o desafio com um sentimento de alegria por poder contribuir, e confesso, um pouquinho de temor pelo tamanho da responsabilidade.

croqui, medidas e amostra

Bem, era janeiro e eu teria muito tempo pela frente!

Nos primeiros meses eu apenas procurava pontos para o barrado da saia e separava alguns deles usando o Pinterest.

Também desenhei vários croquis. Nos primeiros, a parte superior parecia mais com uma jardineira tradicional, com as tiras sobre ombros unidas ao peito com um botão. Um dia eu reparei que a peça na fotografia não tinha botão nenhum e refiz tudo.

tricô em prosa - croqui da salopete medidas em centímetrosO desenho final ficou com a parte superior composta de dois trapézios, um frontal e um posterior, que são unidos na altura do pescoço e na cintura. A peça é fechada na parte superior das costas com um botão. Da cintura para baixo, uma saia.

Obtive as medidas da peça medindo uma camiseta de tamanho um ano que comprei com o único intuito de usá-la como “molde”, uma dica preciosa da generosa Beatriz Medina.

Usando a camiseta como base eu decidi as medidas do comprimento da tira da gola, da circunferência do busto e das alturas do peito e da saia. A circunferência do busto seria de 45 a 47 centímetros. A altura do trapézio superior seria de 14 centímetros, sem contar a tira da gola. A saia teria 20 centímetros de altura.

hora de tricotar uma amostra

Eu escolhi esse ponto porque achei que ficaria muito bem no barrado da saia e porque ele tem uma parte em barra 1×2 (1 meia pelo fio de trás, 2 tricô) que eu poderia usar no corpo da peça, criando uma transição harmoniosa para o barrado.

No fim de julho eu comprei o fio e teci uma amostra com meu ponto favorito. Nessa amostra, boa parte foi tecida em barra 1×2 e depois finalizada com o ponto rendado. Ela foi tecida sempre pelo lado direito, com longos fios frouxos correndo pelo lado avesso.


No dia seguinte eu lavei e coloquei a amostra para secar.

tricô em prosa - croqui da salopete com medidas em carreiras e pontosMedi somente depois de confirmar que ela estava completamente seca.

Havia 13 pontos em 5 centímetros e 18 carreiras em 5 centímetros na parte da barra 1×2.

Já o motivo do ponto rendado media 7 centímetros de largura por 8,5 centímetros de altura.

Agora sim, eu poderia converter as medidas das larguras em quantidade de pontos e as medidas das alturas em quantidades de carreiras. Também poderia calcular a frequência em que os aumentos deveriam ser trabalhados, tanto para dar forma aos trapézios quanto à saia.

início da peça

A salopete é tricotada de cima para baixo, ou seja, ela começa com a tira em torno do pescoço e segue em direção à saia.

Montei 91 pontos usando a antiga montagem norueguesa, que é mais elástica, usando agulhas número 2,75 mm. Trabalhei sete carreiras ida e volta em cordões de tricô, tomando o cuidado de fazer uma casa de botão na quarta carreira.

Na oitava carreira eu troquei a agulha por outra de númeração 3,00 mm. Trabalhei os quinze pontos iniciais da parte direita das costas, arrematei quatorze pontos, trabalhei os 31 pontos da parte frontal, arrematei quatorze pontos e trabalhei os quinze pontos iniciais da parte esquerda das costas.

tricô em prosa - detalhe das costas da salopeteA parte mais complicada foi, sem dúvida, tricotar o início das duas metades (direita e esquerda) das costas. Cada uma é tecida individualmente, virando o trabalho no final da carreira. Ambas metades são tecidas até a carreira 19. Na carreira número vinte, a segunda metade é unida à primeira sobrepondo os cinco pontos centrais.

Com a ajuda de uma terceira agulha de ponta dupla eu juntei, aos pares, os cinco pontos centrais (em cordões de tricô) para que fossem trabalhados juntos em meia. Assim, sem nenhum costura, as duas metades das costas foram unidas.

tricô em prosa - costas da salopete ainda em andamento

A partir daí continuei tricotando o trapézio das costas da mesma maneira que o trapézio da frente da salopete, realizando aumentos em cada lateral a cada seis carreiras até haver 47 pontos na agulha.

Para iniciar a saia eu trabalhei os 47 pontos do trapézio frontal, acrescentei 16 pontos, trabalhei os 47 pontos do trapézio das costas, acrescentei 16 pontos e fechei a volta para tricotar circularmente. E na primeira volta da saia, fiz dois aumentos, um de cada lado, bem no meio dos 16 pontos acrescentados.

tricô em prosa - lateral da salopete

Mesmo que tenha feito muitas contas, ainda assim eu cometi um erro terrível. Eu calculei a frequência dos aumentos da saia para obter 156 pontos, que é múltiplo de 13, no intervalo de 11 centímetros de altura. Qual foi a minha surpresa ao ver que o ponto do barrado era na verdade múltiplo de 18?

Desmanchei tudo e refiz os cálculos da saia para obter 180 pontos, ou seja, dez repetições do motivo do barrado. Para isso, os aumentos da saia foram feitos a cada três voltas, e não a cada seis.

tricô em prosa - costas da salopete

Depois que alcancei 180 pontos, ainda teci seis voltas em barra 1×2 antes de iniciar o ponto do barrado. E após tricotar o ponto rendado, teci seis voltas em cordão de tricô (uma volta em meia, outra volta em tricô) para criar uma espécie de barra na saia.

Aproveitei um dia inteiro de feriado municipal para arrematar os pontos e embutir as (muitas) pontas. Escolhi o arremate costurado da Elizabeth Zimmermann. Faltando muito pouco para terminar o arremate, o fio acabou. Resolvi cortar outro pedaço de fio e continuar. Funcionou demais! Depois que as pontas foram embutidas, não se nota nada de diferente.

Depois de pronta eu lavei a peça e coloquei para secar na sombra sobre placas de EVA. Como coincidiu com a passagem de uma frente fria por aqui, demorou dois dias para ficar completamente seca.

tricô em prosa - detalhe das costas da salopete com o botão

Encontrei um botão de cor idêntica ao do fio, foi muita sorte! Mas o melhor de tudo é que a peça ficou pronta quase um mês antes do aniversário da bebê Valentina.

Eu fiquei muito satisfeita com o resultado, muito feliz mesmo! Meu marido chama a peça de “a pequena notável”, porque ela parece simples mas exigiu muitas etapas e muitos cálculos para sua confecção.

Agora é torcer para minha irmã e sua cunhada aprovarem o resultado.

Receita: (receita improvisada)
Fio: Pingouin Bella – cor 501 Lavanda
Composição: 100% algodão
Agulha: circular de numeração 2,75 mm e 3,00 mm de 1 metro de comprimento

Veja essa peça no Ravelry

Anúncios

amostras: use-as sem moderação

Apesar do silêncio no Tricô em Prosa, uma parcela expressiva do meu tempo livre tem sido direcionada ao tricô. Recentemente eu terminei de escrever as apostilas dos cursos do 3º Encontro Gaúcho de Tricô que vou ministrar.

E faz vários meses que venho tricotando muitas amostras! Foram tantas que me deu vontade de falar sobre esse assunto.

tricô em prosa - amostras: use-as sem moderação

Uma vez li sobre uma experiência na qual doze pessoas foram solicitadas a tricotar um quadrado seguindo as mesmas instruções, usando o mesmo fio e agulha número 4,5mm. Nenhuma das doze amostras tecidas ficou igual à outra. Nenhuma! A quantidade de pontos em 10 cm variou de 17 a 22 pontos e a quantidade de carreiras em 10 cm variou de 26 a 32 carreiras. De fato, cada pessoa tem uma tensão única ao tricotar.

Atualmente, posso afirmar que adoro tricotar amostras. Mas nem sempre foi assim. Talvez isso seja algo que só se aprende com a experiência. Ou, melhor dito, com as más experiências…

tricô em prosa - amostras: use-as sem moderação

No início, eu praticamente ignorava essa etapa. Mais tarde eu compreendi que se quisesse acertar eu teria de checar a minha tensão. Eu o fazia, mas à contragosto.

Hoje tudo mudou e essa é uma etapa que me diverte. Esses pequenos quadradinhos de tricô me poupam tempo, evitam lágrimas, aumentam minha confiança e ampliam as possibilidades de sucesso! Como não amar?

Meus motivos para tecer amostras

Às vezes tricoto amostras por puro deleite, quando estou morrendo de vontade de experimentar um fio que acabei de comprar. Uma amostra em ponto jérsey já satisfaz a vontade. Anoto todos os dados para aproveitar mais tarde, claro.

Sou da opinião que tricotar amostras me dá oportunidades: tenho a chance de aprender o ponto da peça, de ver se o fio combina com o ponto principal, de saber se a trama vai encolher ou esticar depois de molhada.

tricô em prosa - amostras: use-as sem moderação

Para mim, fazer amostras é como fazer um investimento. Investir um dia tricotando uma amostra e outro esperando que ela seque vai me poupar semanas trabalhando numa peça que poderá não agradar ou pior, não servir. Um investimento que rende certezas, confiança e satisfação!

Amostras à minhas maneira

Se a amostra for de uma peça que será tecida ida e volta, virando o trabalho no fim da carreira, então faço a amostra da mesma maneira. Gosto de emoldurar o ponto principal da amostra com cordões de tricô ou ponto arroz para que ela não enrole. Fica bem mais fácil de medir.
blog tricô em prosa - Amostra Lauriel - agulha 3.5mm - úmida
Para emoldurar eu trabalho as primeiras e últimas carreiras em cordões de tricô ou ponto arroz, assim como os primeiros e últimos pontos de cada carreira.

O tamanho da amostra depende da espessura do fio, da numeração da agulha e do ponto. Se for em ponto jérsey, minha amostra será pequena, uns 25 ou 30 pontos. Se for uma amostra de um ponto múltiplo de um número (ex. múltiplo de 4, 6, etc.) então calculo três ou quatro repetições do ponto, mais dez pontos de borda (cinco de cada lado).

Se a amostra for de uma peça circular, como um gorro, ela será tecida simulando o tricô circular (pontos trabalhados sempre no lado direito), como as duas amostras exibidas na fotografia abaixo.
blog tricô em prosa - Amostras para as meias de algodão
Uso uma agulha circular e trabalho o lado direito da amostra. No final da carreira eu não viro o trabalho e sim deslizo-o para a outra ponta da agulha. Então deixo um longo fio pendendo atrás do trabalho e tricoto outra carreira novamente pelo lado direito. E assim, sucessivamente. Simula o tricô circular, mas a amostra é plana, mais fácil de medir.

Outro cuidado que tenho é de molhar a amostra antes de medir. Todas as amostras que teci mudaram muito depois de molhadas. Na maioria das vezes a amostra cresce e os pontos ficam bem mais bonitos e uniformes. Como praticamente todas as peças que eu tricoto serão lavadas, eu preciso molhar para checar o que vai acontecer.

tricô em prosa - amostras: use-as sem moderação

Gosto de lavar a amostra do jeito que vou lavar a peça final. Se vou usar alfinetes para secar a peça final, uso alfinetes para secar a amostra. E só meço a amostra depois que ela estiver completamente seca porque a quantidade de pontos altera bastante.

Bem, sei que meu pequeno caso de amor em relação às amostras ainda vai render muitos e muitos quadradinhos!

umas boas meias de algodão

Meu plano de tecer meias usando fio de algodão teve início em meados de outubro. Essa é mais uma peça tecida inteiramente enquanto estive fora de casa, levada na bolsa, já que quando estava em casa só tive olhos para um xale que ainda estou tecendo com o maior zelo e carinho.

blog tricô em prosa - umas boas meias de algodão

Elas são extremamente confortáveis!

Minha primeira providência foi tecer as amostras. Uma amostra foi tecida em ponto jérsey e outra com o ponto escolhido para as meias, que foi retirado do livro Getting Started Knitting Socks da Ann Budd. Além de ensinar a tecer meias, o livro oferece vários pontos apropriados para sua confecção.

Esse ponto sempre esteve entre um dos meus favoritos. Combina colunas torcidas com ponto tricô, excelente para dar elasticidade às meias de algodão.

blog tricô em prosa - umas boas meias de algodão

Usando a matemática das meias fiz os primeiros cálculos e pude esboçar a receita. Para usar o ponto escolhido para as meias foram necessárias algumas adaptações e pronto, mandei bala!

As meias ficaram prontas em quinze dias. Os pontos do primeiro pé foram montados em meados de outubro e o segundo pé foi arrematado no início de novembro.

Entretanto, só pude fotografá-las agora porque minha câmera apresentou um defeito ainda no início de outubro, bem no dia em que fui fotografar o xale Goldmarie que teci para minha tia. Demorei algumas semanas para mandá-la para o conserto e outras mais foram necessárias para que ela retornasse. Como fez falta…

blog tricô em prosa - umas boas meias de algodão

Descobri que esse fio é muito grosso para tecer meias que serão usadas com sapatos fechados, fica apertado. Por esse motivo essas meias serão usadas principalmente para dormir.

Já providenciei outro fio de algodão, dessa vez um pouco mais fino, e com ele vou tecer a mesma receita. Quero ver se produz meias com espessura adequada para usar com sapatos fechados. Serão as próximas peças que passarão um bom tempo indo e vindo na minha bolsa enquanto termino de tecer aquele xale no conforto da minha casa.

Receita: Meias Fusilli de Valéria Garcia
Fio: Pingouin Bella na cor 1815
Agulha: circular número 2,5mm e 2,75mm de 100 centímetros de comprimento

Veja essas meias no Ravelry

flora para isadora

Se eu pudesse tricotaria casaquinhos para cada futura mamãe que conheço. Mas não consigo cumprir prazos quando se trata de tricô. Foi só por esse motivo que a Isadora não ganhou seu casaquinho quando nasceu. Mas é chegada a hora de corrigir essa “injustiça”!

tricô em prosa - Casaco Flora

Queria tricotar um casaco bem fofo para essa menina de olhos estrelados. Escolhi essa receita com grandes bolsos para ela encher de brinquedos.

Um dia eu me deparei com essa fotografia da filha da Jessica Alba e fiquei encantada com a alegria da menina. Estava decidida a cor do casaco da Isadora, seria lilás (talvez roxo). Então encomendei o fio.

Assim que o fio chegou eu tricotei duas amostras enquanto assistia televisão. A primeira foi tricotada usando agulha número 5,0mm mas decidi desmanchar. Tricotei a segunda amostra com agulha número 5,5mm e obtive a seguinte medida: 17 pontos medem 10 centímetros.

Amostra Casaco Flora

Como a amostra da receita requer que 18 pontos meçam 10 centímetros, o casaco resultante ficaria um pouquinho maior. Não vi problema nenhum nisso e montei os pontos do casaco para o tamanho dois anos.

Achei que os botões de coco combinaram muito bem com a cor do casaco!

tricô em prosa - Casaco Flora

Esse casaco é tricotado de cima para baixo, sem costuras.

Primeiro, são montados os pontos da pala que é trabalhada juntamente com os aumentos para formar as mangas raglã. Depois de separar os pontos das mangas para deixá-los em espera, é hora de trabalhar o corpo. Uma carreira cheia de aumentos é trabalhada para dar mais volume ao casaco, que fica mais parecido com um sobretudo. Os pontos das mangas são retomados e trabalhados de maneira circular sem costuras. Os pontos da gola são levantados a partir da pala. Então temos de tricotar os bolsos.

Como da outra vez que tricotei esse casaco, iniciei o cardigã pela gola (e não pela pala), para não ter de levantar esses pontos mais tarde. Finalizada a gola, montei 6 pontos de cada lado para tricotar a barra de botões e só então trabalhei a pala.

tricô em prosa - Casaco Flora

E para costurar os bolsos, novamente usei as figuras 77 e 78 desse tutorial. De novo, refiz a costura diversas vezes até que ficasse perfeito!

Agora é só torcer para que sirva na pequena Isadora!

Receita: Flora de Kate Blackburn, que gentilmente autorizou a publicação da tradução da receita para português.
Fio: Fio Círculo Lã Seda, cor 6434
Agulha: KnitPro circular núm. 5.5 mm de 100 cm de comprimento

Veja este projeto no Ravelry

If I could I would knit cardigans to every future mom I know. But I can’t meet deadlines when it comes to knitting. It was the only reason Isadora didn’t receive her baby cardigan when she was born. But now it comes the time to correct this “injustice”!

I wanted to knit a cute cardigan to this girl whose eyes shine like the stars. I’ve chosen this pattern with big pockets so she can fill it with little toys.

One day I found this photograph of Jessica Alba’s daughter and I was amazed with her happiness. The color of Isadora’s cardigan was chosen, it would be lilac (maybe purple). So I ordered the yarn.

As soon as the yarn was delivered I knitted two swatches while I watched television. The first one was knit using US #8 needles, but I decided to frog it. I knit the second swatch using US #9 needles and I got the following measurement: 17 stitches measure 4 inches.

Because the gauge of the pattern is 18 stitches per 4 inches, the resulting cardigan would be a little bigger. I didn’t see it as a problem and so I cast on for size two years.

I find that the coconut buttons goes well with the color of the cardigan!

This cardigan is knit from top to bottom, seamless.

First, we cast on the stitches of the yoke. Yoke is worked as the same time as we do increases to shape the raglan sleeves. After separating the stitches of the sleeves to put them on hold, it’s time to knit the body. One row full of increases is worked to give it more volume, it looks like an overcoat. The stitches of the sleeves are worked on the round, seamlessly. The stitches of the collar are picked up from the yoke. Then we have to knit the pockets.

Just like the other time I knit it, I started the cardigan from the collar (not from the yoke), so I wouldn’t have to pick those stitches later. Once I finished knitting the collar, I increased 6 stitches at each side to make the buttonband, and then I proceeded to knit the yoke.

And to sew the pockets on, I used figures 77 and 78 of this tutorial again. And again, I tried and tried to sew them until they were perfect!

Now, I hope it will fit little Isadora!

Pattern: Flora by Kate Blackburn, who kindly authorized the publication of the translation of the pattern into portuguese.
Yarn: Circulo Yarn Lã Seda, color 6434
Needle: circular KnitPro US #9 – 40 inches long

See this project on Ravelry

o que poderia sair errado?

Depois de tricotar as amostras, finalmente montei os pontos do cardigã Lauriel. Feliz, tricotei em todos os momentos possíveis. Ultimamente, tenho tricotado após minha corrida noturna no clube. Ritual gratificante: termino minha corrida, faço algum abdominal, muito alongamento, depois uma ducha deliciosa e vou para o restaurante para esperar meu marido. É nessa hora que consigo tricotar pouco mais de uma hora sem intervalos.

Rapidamente concluí a gola do cardigã e, de pouco em pouco, terminei os aumentos que formam as mangas. Pronta para tricotar o corpo, deveria então colocar os pontos das mangas em espera transferindo-os para um fio descartável.

Lauriel

Não estava nem um pouco preocupada afinal eu tinha a) lido a receita várias vezes, b) confirmado que tinha em estoque a quantidade de fio necessária para tricotar todo o cardigã, e c) trabalhado as amostras para escolher a agulha correta. Tudo como manda o figurino. O que poderia dar errado?

Antes de transferir os pontos das mangas aproveitei para contá-los. Para minha surpresa a conta não conferiu. Contei de novo. E contei mais uma vez. Não tinha jeito, uma manga tinha 5 pontos a mais que a outra. Cinco! Será que o excesso de empolgação fez com que eu me esquecesse de contar os aumentos à medida em que avançava as carreiras?

Lauriel

Nesses casos só tem uma coisa a ser feita: desmanchei várias e várias carreiras quase chegando ao início dos aumentos das mangas. Agora, após várias corridas no clube, alcancei o ponto onde havia parado e as mangas estão idênticas.

É a primeira vez que tricoto um casaco sem costuras com modelagem tradicional dos casacos costurados. Como podemos ver nessa fotografia, esse cardigã não tem pala circular. Suas mangas tampouco são raglãs. São mangas encaixadas tradicionais iniciadas a partir da gola e sua modelagem é embutida em cada carreira. Na fotografia abaixo, podemos ver a página do livro Little Red In The City mostrando o esquema geral do Lauriel com a modelagem das mangas:

Lauriel

Para terminar, gostaria de parafraser Coração Tranquilo de Walter Franco: tudo é uma questão de manter a mente contado, as mãos tricotando e o coração tranquilo!

Receita: Lauriel do livro Little Red In The City de Ysolda
Fio: Cisne Merino, cor 4025
Agulhas: circular Addi Lace número 3,0mm de 100 cm de comprimento

Veja este projeto no Ravelry

After knitting the swatches, I finally casted on the stitches of Lauriel cardigan. I felt extremely happy and I knitted at every time it was possible. Lately, I’ve been knitting after my night runs at the club. It was a gratifying ritual: I finished running, worked some abs, stretched a lot, then I went to take a good shower and afterwards I went to the restaurant to wait for my husband. That’s when I could knit more than one hour without interruption.

I finished the collar very quickly and, bit by bit, I finished the increases that shape the sleeves. When everything was ready for the beginning of the body, I should put the sleeve stitches on hold on a waste yarn.

I wasn’t worried at all, because a) I had read the pattern several times, b) I made sure I had the quantity of yarn that was needed to knit the entire cardigan, and c) I had knit the swatches to pick up the right needle. I did everything expected from a “serious” knitter. What could go wrong?

Before putting the stitches on hold I took the time to count them. Surprisingly the count didn’t match. I counted them again. And I counted one more time. It was worthless, one sleeve had 5 stitches more than the other one. Five! The excess of enthusiasm had made me forget to count the increases as I knitted the rows?

There was only one thing to do: I frogged several rows back to the beginning of the increases for the sleeves. Now, after lots of runnings at the club, I reached the point I was before and the sleeves are identicle.

This is the first time I knit a seamless cardigan with sleeves that have the tradicional shape of set-in sleeves. As we can see in this photograph, this cardigan doesn’t have a circular yoke. It’s sleeves aren’t raglan sleeves, also. Those are tradicional sleeves started from the collar down and it’s shape is worked on each row. In the photograph below, we can see the page of the book Little Red In The City that shows the overall schema of the Lauriel cardigan with the shape of the sleeves.

Before I finish, I’d like to paraphrase Walter Franco‘s Coração Tranquilo: it’s only a matter of keeping the mind counting, the hands knitting and the heart calm!

Pattern: Lauriel from the book Little Red In The City by Ysolda
Yarn: Cisne Merino, color 4025
Needles: 40 inch circular Addi Lace US #6

See this project on Ravelry