muito amor para o matheus

Desde que bati os olhos nessa receita, fiquei completamente encantada. Modelos clássicos sempre me atraem. E ainda por cima, grátis! Eu até tentei encontrar outra receita tão encantadora como essa, mas nada me fascinava. Queria ver o Matheus vestindo esse macacãozinho e ponto!

tricô em prosa - Combinaison Layette

Imprimi o arquivo PDF e comecei a decifrar cada passo da receita, escrita em francês. Achei o padrão usado pela Phildar bem diferente. No início tive problemas para compreender a frequência das diminuições. Lendo alguns fóruns de tricoteiras francesas (elas também se confundem), consegui pegar o espírito da coisa.

O macacão é tricotado de baixo para cima. Primeiro as costas, depois a frente, e posteriormente as duas partes sāo costuradas. Dias mais tarde, depois de inúmeras anotações e observações, encontrei uma maneira de tecer a receita circularmente, restringindo as costuras para três pequenas áreas: as alças e na regiāo entre as pernas.

pernas

Escolhi fazer o tamanho seis meses. Montei os pontos para a barra da perna usando agulhas 2,5mm e trabalhei de modo circular.

Ao final da barra eu deveria distribuir 14 aumentos em 62 pontos.

A maioria das receitas que tricoto informa a sequência dos pontos da carreira de aumentos. Mas essa receita não. Basta dividir o número de pontos da carreira pelo número de aumentos que desejamos fazer. Facílimo quando a divisão resulta em um número inteiro com o resto igual à zero. Mas no meu caso, 62 não é divisível por 14. O resto da divisão é seis e não zero!

tricô em prosa - Combinaison Layette

Pois bem, eu tenho um livro escrito pela Elizabeth Zimmermann no qual ela ensina como calcular a distribuição uniforme de aumentos em uma carreira. Olha como é simples: se o resto da divisão não for zero, então devemos subtrair uma unidade da quantidade de aumentos e refazer a conta. Ao dividir 62 por 13 temos como resultado o quociente 4 e resto 10. Ou seja, para distribuir uniformemente 14 aumentos em 62 pontos basta fazer:
5pts, 1aum, [4pts, 1aum] 13 vezes, 5pts. Os cinco pontos iniciais e finais é o resto (dez) dividido por dois.

Se o resto da divisão for um número ímpar, basta distribuir a quantidade de pontos do resto no início e no final da carreira, de maneira que, ao serem somados, igualem-se ao resto. Por exemplo, eu poderia distribuir os aumentos assim: 3pts, 1aum, [4pts, 1aum] 13 vezes, 7pts (onde 3pts + 7pts = 10 pts do resto). Ainda teria 14 aumentos distribuídos, ainda que de maneira não muito uniforme, mas ilustra bem como proceder for ímpar.

Depois de trabalhar os aumentos, troquei para agulhas número 3,0mm para terminar o restante da perna, seguindo à risca as instruções da receita. Ao terminar a perna eu não arrematei, apenas deixei os pontos em espera e em seguida comecei a tricotar a outra perna. Uni uma perna à outra como se unisse as mangas de um suéter sem costuras. Estava pronta para tricotar o corpo de maneira circular.

o corpo

Trabalhei o corpo do macacãozinho circularmente até que chegou a hora de colocar os pontos do painel frontal com botões em espera. A partir daí, tive de tricotar ida e volta, virando o trabalho no final da carreira.

Como eu faço o ponto meia bem mais apertado que o ponto tricô, usei uma dica ótima da Ann Budd: o lado direito, em meia, teci com agulha número 3,0mm, e o lado avesso, tecido em tricô, usei uma agulha de numeração um pouco menor, de 2,75mm. De fato, não deu para ver a diferença entre a parte tecida circularmente toda em meia, com a parte tecida em ida e volta.

tricô em prosa - Combinaison Layette

Fiz o mesmo quando tricotei o painel frontal do macacão. O lado direito foi tecido com agulha 3mm e o lado avesso com agulha 2,75mm. A receita original não instrui tecer as extremidades do painel em cordões de tricô. Mas eu preferi fazer assim para garantir que não ficasse enrolando.

as alças

Por último tricotei as alças do macacão em cordões de tricô usando agulhas 2,5mm. As alças frontais foram costuradas às alças posteriores usando costura invisível, ou seja, fazendo grafting em cordões de tricô, que não achei tão complicado de fazer. Primeiro, é necessário que a última carreira da agulha da frente tenha sido trabalhada em pontos tricô e que a última carreira da agulha de trás tenha sido trabalhada em pontos meia. Como de costume, o fio usado para costurar vem da agulha de trás. Os pontos são trabalhados da direita para a esquerda.

Na etapa preparatória, deve-se inserir a agulha no primeiro ponto da agulha da frente, em tricô, e em seguida inserir a agulha no primeiro ponto da agulha de trás, também em tricô.

Passo 1: Na agulha da frente, inserir a agulha, em meia, no primeiro ponto e remover esse ponto da agulha. Inserir a agulha no próximo ponto, em tricô, e deixar esse ponto na agulha.

Passo 2: Na agulha de trás, inserir a agulha, em meia, no primeiro ponto e remover esse ponto da agulha. Inserir a agulha, em tricô, no próximo ponto e deixar esse ponto na agulha.

Repetir os passos 1 e 2 até que todos os pontos tenham sido costurados. O mantra seria “meia, tricô, meia, tricô”. Ficou nota dez!

botões

Antes de pregar os botões, eu lavei o macacãozinho em água com sabão neutro (gosto do Ola) e deixei um dia inteiro secando bem esticado em placas de EVA. Como não encontrei botões que combinassem com o tom de verde do fio, escolhi botões de metal, tom de cobre.

tricô em prosa - Combinaison Layette

Para fazer o tamanho seis meses usei menos de uma bola de fio. Ainda sobraram 25 gramas.

Simplesmente adorei tricotar essa receita e com certeza vou tricotá-la novamente! Eu me inundava de felicidade, principalmente porque o pensamento estava sempre no forte e valente Matheus!

Receita: Combinaison Layette da Equipe Phildar
Fio: Fio Pingouin Bella – cor 2610
Composição: 100% algodão mercerizado
Agulhas: circulares número 2,5mm, 2,75 e 3,0mm de 100 centímetros de comprimento

Veja essa peça no Ravelry

Anúncios

um xale para vestir

Um dia, enquanto segurava o xale Bitterroot nas minhas mãos fiquei pensando no quanto ele era gostoso ao tato. Me deu vontade de vestir uma blusa fresca como aquele xale! Por que não utilizar os gráficos de um xale para tecer uma blusa de algodão?

A ideia era fazer uma blusa de manga raglã. Os aumentos da manga raglã seriam trabalhados como as bordas direita e esquerda do xale. Mais tarde, navegando pelo Ravelry, vi uma receita linda de xale criado pela designer alemã Sue Berg. Sempre que olhava esse xale, via a blusa que eu queria tecer para mim.

trico em prosa.com - um xale para vestir - Blusa Goldmarie

Da inspiração para o planejamento e posterior ação levou mais ou menos uns seis meses. Primeiro, reli alguns capítulos dos dois livros da Elizabeth Zimmermann que tenho, o Knitting Without Tears e o livro Knitter’s Almanac para entender o sistema de porcentagem da Elizabeth Zimmermman (EPS em inglês). Além disso, risquei, rabisquei, fiz contas. Tive de adaptar o sistema da EZ pois teceria de cima para baixo (top-down) e queria o decote mais amplo.

Para a amostra eu tricotei o padrão do corpo da blusa, ou seja, a sequência [*1m, 3t, 3m, 3t*, 1m], repetindo os pontos entre parênteses. Depois de molhada e seca, cada repetição mediu 5 centímetros. Para obter 100 centímetros na altura do busto eu precisaria de 20 repetições, ou 200 pontos.

Como a blusa é top-down, montei aproximadamente 65% do total dos pontos do busto para iniciar o decote. Acrescentei 2 pontos guias nos quais eu trabalharia os aumentos para as mangas raglã. A distribuição dos pontos do decote ficou assim: 41 pontos para a frente, 2 pontos guia, 21 pontos para a manga direita, 2 pontos guia, 41 pontos para as costas, 2 pontos guia e 21 pontos para a manga esquerda. No total, montei 132 pontos para o decote.

trico em prosa.com - um xale para vestir - Blusa Goldmarie

A volta de ajuste distribuiu os pontos da seguinte maneira: 1m, [1m, 3t, 3m, 3t] x 4, 2m, marcador, 1m, [1m, 3t, 3m, 3t] x 2, 2m, marcador, 1m, [1m, 3t, 3m, 3t] x 4, 2m, marcador, 1m, [1m, 3t, 3m, 3t] x 2, 2m. Fechei a volta para tricotar circularmente, coloquei um marcador (diferente dos demais) para indicar seu início e tricotei a primeira volta realizando os aumentos para a manga. Alternei uma volta de aumentos, com outra sem aumento nenhum. Os pontos que aumentava foram trabalhados na volta seguinte obedecendo a mesma sequência de pontos usada na amostra, ou *1m, 3t, 3m, 3t*.

Foi apenas na décima quinta volta que iniciei a linha 1 do gráfico C da receita do xale. Quem acompanha a página do Tricô em Prosa no Facebook, sabe que eu tive de fazer a pala da blusa duas vezes. O fio acabou e só então me dei conta de que não tinha outro novelo! Não encontrei o mesmo lote para comprar e havia diferença muito grande na cor do novo fio. A saída foi comprar dois novelos do novo lote e recomeçar com o novo fio. A primeira pala que teci tinha dois níveis de folhas, já na segunda tentativa eu resolvi fazer quatro níveis de folhas.

trico em prosa.com - um xale para vestir - Blusa Goldmarie

Como pede a receita do xale, na parte rendada da pala trabalhei as linhas 1 a 24 do gráfico C e depois repeti as linhas 5 a 18 mais 3 vezes. Algumas modificações que fiz: após o mate duplo que forma a ponta da folha eu trabalhei esse ponto em tricô por mais quatro voltas, e b) na última repetição do gráfico, para retornar ao padrão do corpo da blusa, não trabalhei as laçadas das linhas 11, 13 e 15.

Quando alcancei a quantidade de pontos necessária para separar as mangas do corpo (360 pontos), ainda não havia profundidade suficiente para a cava do braço. Então prossegui mais cinco centímetros sem fazer nenhum aumento e só então coloquei os 80 pontos de cada manga em fios descartáveis. A circunferência do peito ficou com os 200 pontos que eu precisava.

trico em prosa.com - um xale para vestir - Blusa Goldmarie

A manga ficou um pouco abaulada, com uma pequena(?) saliência para fora, fato que irei ignorar solenemente.

Entretanto, posso explicar o motivo que levou a isso. Eu deveria ter trabalhado os aumentos da manga raglã até que houvessem 160 pontos para a circunferência do peito e 60 pontos para cada manga, ou 280 pontos totais. Se eu tivesse parado nesse ponto, eu poderia separar as mangas em fios descartáveis e, ao retomar os pontos da circunferência do peito, montar 20 pontos embaixo de cada manga. Desse modo, eu teria os 200 pontos necessários para a circunferência do peito e ainda deixaria a manga embutida, ajustada perfeitamente ao braço.

Sabe o que me impediu de fazê-lo? Foram as repetições extras para tecer quatro níveis de folhas na pala. Ao finalizar os quatro níveis de folhas, já contabilizava 200 pontos para a circunferência do peito e 80 pontos para cada manga. A única saída para o impasse seria desmanchar e deixar a blusa com dois níveis de folhas, assim faria os aumentos até ter 280 pontos totais. Só que eu não mais queria desmanchar… Bem, no final decidi deixar do jeito que estava e conviver com o resultado.

trico em prosa.com - um xale para vestir - Blusa Goldmarie

Para deixar a barra da blusa com o mesmo barrado do xale eu repeti o gráfico C e depois trabalhei o gráfico D.

Tecer essa blusa foi um desafio, desgastante em alguns momentos. Mas aquela sensação quando superamos as dificuldades é mais do que compensadora. Gostei muito do resultado final!

Um feliz 2014 para você!

Receita: Goldmarie de Sue Berg
Fio: Círculo Anne na cor 7382 Marrom
Composição: 100% algodão
Agulhas: agulhas circulares número 2,75mm de 1 metro de comprimento

Veja esse projeto no Ravelry

tutorial – arremate costurado da EZ

Estou refazendo o meu casaco Lauriel bem devagarinho. Mas tomei alguns minutos para fotografar e escrever um tutorial sobre o arremate costurado “unventado” pela Elizabeth Zimmermann.

Arremate Costurado da EZ

Ele é super flexível e, justamente por esse motivo, foi o arremate que escolhi para a gola do casaco Baby Sophisticate do Benício.

Leia as instruções na página Arremate costurado da Elizabeth Zimmermann.

lobo em pele de casaco de bebê

Eu quase cheguei às lágrimas por esse casaco de bebê. Quase. Parece mamão com açúcar quando lemos a receita. E eu li a receita várias vezes. Tricotei a amostra, uma vez que a autora da receita, Elizabeth Zimmermmann, apenas diz que os “bebês vêm em vários tamanhos”.

Os problemas foram surgindo assim que montei os pontos. A frequência da carreira de aumentos que forma a pala do casaco foi o primeiro entrave que encontrei. Da maneira que compreendi, os aumentos seriam trabalhados no lado avesso e depois no lado direito e por fim no lado avesso novamente. Para mim isso não fazia sentido. Então eu trabalhei a carreira de aumentos na frequência que fazia sentido para mim.

February Baby Sweater

Assim que concluí a pala me dei conta de que eu deveria ter acrescentado as casas dos botões desde as primeiras carreiras. Tudo bem, desmanchei tudo e montei os pontos do casaco novamente. Afinal, havia tricotado apenas a pequena pala do casaco. Para não perder a frequência dos aumentos da pala e a frequência das casas dos botões, decidi escrever cada carreira da receita. Ajudou muito!

Tive muitas dúvidas a respeito do tamanho do casaco. Eu queria tricotá-lo para um bebê de 3 a 6 meses. Eu precisava saber quantos centímetros a pala deveria ter e também qual seria o comprimento da manga. Pesquisei na internet algumas tabelas com tamanho padrão de bebês e baixei esse arquivo PDF mas não conseguia adaptar a receita. Foi quando me lembrei de uma dica que li no grupo de discussão Crazy Knitting Ladies, onde a Beatriz Medina sugeriu comprar uma camiseta de bebê do tamanho desejado e se basear nas medidas dela para tecer o casaco. Pois foi isso que fiz. Comprei uma camiseta de manga longa, tamanho 0-3 meses. Funcionou direitinho.

February Baby Sweater

E as lágrimas? Estava quase terminando de tricotar o corpo quando percebi que fiz a quarta casa de botão na carreira errada. Percebi esse erro muitas carreiras mais tarde. Foi frustrante, desmanchei carreiras e mais carreiras, e finalmente refiz a casa de botão na carreira certa.

February Baby Sweater

Agora, olhando para o casaco, acho que valeu o esforço.

Receita: February Baby Sweater por Elizabeth Zimmermann
Fio: Pingouin Noblesse
Agulha: circular número 4,00mm

Este projeto no Ravelry

I almost came to tears because of this baby sweater. Almost. It seems as easy as a piece of cake when we read the pattern. And I read the pattern several times. I knitted the gauge, once the author of the pattern, Elizabeth Zimmermmann, only says that “babies comes in various sizes”.

Trouble were presented as soon as I casted on the stitches. The frequency of the increasing rows that makes the yoke of the sweater was the first problem I faced. The way I understood while reading the instructions, the increases would be worked on the wrong side, then on the right side and the last one on the wrong side again. It made no sense for me. So I worked the increasing row at a frequency that made sense for me.

As soon as I concluded the yoke I found out that I should had made the buttonholes since the start of the yoke. All right, I frogged it all and casted the stitches on again. After all, I had only knitted the little yoke of the sweater. In order to take track of the frequency of the increases of the yoke and the frequency of the buttonholes, I decided to write down every row of the pattern. It helped a lot!

I had lots of doubts regarding the size of the sweater. I wanted to knit it for a 3-6 months baby. I needed to know how many centimeters the yoke should have and also what would be the size of the sleeves. I researched the internet and found out some tables with standard babies measurements and I’ve downloaded this PDF file but I couldn’t adapt the pattern. Then I remembered a tip I read on Crazy Knitting Ladies discussion group, in which Beatriz Medina suggested buying a T-shirt of the size of the baby and knit the sweater based on its measurements. So that’s what I did. I bought a long sleeved T-shirt of size 0-3 months. It worked just fine!

And the tears? I was almost finishing the body when I found out I misplaced the forth buttonhole. I found out this mistake many rows later. It was frustranting, I frogged rows and rows and finally placed the buttonhole correctly.

Now, looking at the sweater, I feel it was worth it!

Pattern: February Baby Sweater by Elizabeth Zimmermann
Yarn: Pingouin Noblesse
Needle: circular US #6 / 4,00mm

This project on Ravelry