renda em forma de água

​A história dessa peça começou quando minha eterna priminha, a Rayssa, deixou um comentário no Facebook dizendo que estava com invejinha da nossa vó Ziquinha quando ela ganhou um xale rendado que eu teci. Fiquei tão tocada que se pudesse teria montado os pontos de um xale para ela imediatamente.

tricô em prosa - Xale Estuary

A Rayssa tem (bem) mais de vinte anos, mas no meu coração ela sempre será aquela bebê fofa de voz grave, falante e curiosa, que subia pelos móveis e queria entrar dentro da cristaleira da minha mãe.

Demorou uns meses até que tudo estivesse pronto para eu começar essa peça. E isso aconteceu em meados de novembro do ano passado. Sempre me senti atraída por essa receita, uma mistura de xale e echarpe. Achei que essa receita tinha tudo a ver com a Rayssa. Eu tinha esse fio, nessa cor que acho deslumbrante. São 450 metros, perfeito!

tricô em prosa - Xale Estuary

Existem duas versões dessa receita. Podemos imprimi-la a partir do site Knitty ou baixar o PDF do Ravelry. Ambas estão corretas, mas não se deve misturar os gráficos de uma versão com os da outra. Eu escolhi baixar o PDF por que usei o aplicativo KnitCompanion instalado no iPad para seguir os diversos gráficos.

Eu não diria que essa receita é daquelas que se tricota para relaxar. Não mesmo! Requer muita atenção! A maior parte do tempo devemos seguir dois gráficos diferentes para fazer uma única carreira. E lá pelo final da receita, o número da linha de um gráfico não batia com o número da linha do outro gráfico. Tenso…

tricô em prosa - Xale Estuary

O xale nasce a partir de dois pontos montados na agulha. Nas carreiras ímpares são feitos os aumentos que dão forma ao xale. Depois do gráfico inicial (A), começa o gráfico C que corresponde ao barrado do xale. Esse gráfico será repetido ao longo de todo xale, praticamente 80% do tempo, ao mesmo tempo que outros gráficos são trabalhados. O xale cresce na altura, então a parte central é tecida reta e em seguida o xale diminui até que restem dois pontos na agulha.

Usei um marcador de pontos vermelho para delimitar a fronteira entre o gráfico C e os demais gráficos. A receita só pede esse marcador. Mas é salutar usar marcadores para delimitar as repetições dentro de cada gráfico. Então escolhi marcadores brancos para as repetições de um mesmo gráfico.

tricô em prosa - Xale Estuary

Duas semanas depois de iniciado, o pobre xale foi colocado em segundo plano devido às exigências do trabalho. A prioridade naquele momento era trabalhar dia e noite, fim de semana também, para cumprir o prazo de entrega.

Assim que o trabalho foi entregue, era hora de viajar para a casa de meus pais para as festas de Natal e Ano Novo. Eu levei o xale para tricotar lá, mas convenhamos, seguir dois gráficos ao mesmo tempo não encoraja a socialização… Do jeitinho que ele foi, voltou. E assim permaneceu, intocado, por mais de dois meses.

tricô em prosa - Xale Estuary

Em março, eu retomei a peça. Tive de fazer um esforço porque tinha esquecido todos os pormenores da receita. Estudando a trama, finalmente aceitei que os contadores do KnitCompanion indicavam precisamente onde eu tinha parado.

E tive de ler a receita de novo para esclarecer duas perguntas cruciais: a) o gráfico mostra os pontos da borda?, e b) como se tricota a carreira do avesso? Sanadas as dúvidas, me entreguei às delícias de tricotar novamente!

tricô em prosa - Xale Estuary

Foi então que aconteceu o Drama Número Um. Uma atualização da versão 9.3 do sistema operacional do iPad fez com que meu aparelho ficasse travado. Pelo que andei lendo, vários proprietários do iPad 2 ao redor do mundo tiveram o mesmo problema.

Segui todos os passos recomendados pela Apple, sem nenhum sucesso. Achei que teria de apagar todos os meus dados e reinstalar os aplicativos que uso. Mas o suporte da Apple entrou em contato e baixou uma atualização que destravou o aparelho e salvou todos os meus dados.

Lições aprendidas: a) nunca mais instalar uma atualização sem antes fazer um backup dos dados; e b) mesmo assim, esperar ao menos dois dias para ver se outros usuários tiveram problemas.

tricô em prosa - Xale Estuary

Com o KnitCompanion operacional e todos os meus contadores intactos, retornei ao xale. Segui a receita à risca. Depois da fase dos aumentos tem um gráfico reto que deve ser repetido quatro vezes, e assim o fiz. Finalmente pude iniciar a etapa de diminuições até alcançar o último gráfico do xale.

Faltando menos de 20 carreiras para terminar o xale, quem terminou foi o fio. Esse foi o Drama Número Dois! Considerei comprar outra bola, porém faz tanto tempo que comprei esse fio não encontraria outro lote dele.

tricô em prosa - Xale Estuary

Três dias depois, passado aquele sentimento de frustração e totalmente tomada pela atitude “vamos resolver esse problema”, sentei-me e estudei a trama. Localizei o local exato da conclusão da terceira repetição do gráfico reta. Desmanchei até esse ponto. Eu devo ter desmanchado uns 25 centímetros de trama. A partir daí iniciei as diminuições.

Desse modo, omitindo a quarta repetição do gráfico reto, eu pude concluir o xale. E quando arrematei os últimos dois pontos, sobrou pouquíssimo fio.

tricô em prosa - Xale Estuary

O resultado me agradou bastante! Fica legal usado como um xale e também fica muito bem quando usado em volta do pescoço, como uma echarpe.

Depois de bloqueado e seco, o xale mediu 175 centímetros de envergadura. Se eu tivesse tido fio suficiente para tricotar a quarta repetição do gráfico reto, imagina como esse xale não ficaria longo? Ah,sim! A peça mede 31 centímetros de altura.

E não descarto a ideia de tricotar essa receita novamente!

Receita: Estuary de Tin Can Knits
Fio: Pingouin Tropfil na cor 2524
Composição: 100% algodão
Agulha: circular de numeração 3,5mm de 100 cm de comprimento

Veja esse xale no Ravelry

xale gramado

A receita desse xale começou a tomar forma ainda no início desse ano. Eu precisava criar um protótipo de xale que seria tecido durante a prática do curso Xale Passo a Passo do 3° Encontro Gaúcho de Tricô.

tricô em prosa - xale Gramado

Procurei incessantemente por um ponto que fosse interessante e que tivesse laçadas e diminuições. Minha primeira escolha foi o ponto com o qual teci essas duas amostras. As amostras só confirmaram que o ponto era realmente muito bonito.

Cheguei a rascunhar o gráfico do xale usando esse ponto. Até improvisei um barrado. Mas não testei o gráfico. Na verdade eu abandonei esse rascunho. Achei que seria demorado tecer esse protótipo durante a oficina.

Então procurei outro ponto, com menos carreiras. Com o segundo ponto eu desenhei o gráfico do protótipo de xale que foi efetivamente usado na apostila da oficina.

tricô em prosa - xale Gramado

Acontece que eu sempre me pegava admirando a amostra do primeiro ponto que escolhi. Volta e meia eu estava com ela nas mãos. Não tinha jeito, estava apaixonada!

Tricotei o rascunho do gráfico que até então estava abandonado, substituí o barrado por outro e finalmente escrevi uma receita usando aquele ponto que tanto me encantou.

Só faltava tecer o xale propriamente dito. E ele foi tecido com muito amor para minha tia Eddinha, no meio de muitas recordações felizes, dos pudins deliciosos que ela assava até as músicas da Donna Summer.

tricô em prosa - xale Gramado

Usei agulhas 3,0mm, mas se for tecer o xale novamente vou aumentar a numeração para 3,5mm. E consumiu em torno de 527 metros de fio, foram duas bolas inteiras de fio mais um pouco de uma terceira bola.

Depois de molhado e modelado, o xale mediu 125 centímetros de envergadura e 67 centímetros de altura.

A receita acabou fazendo parte da apostila do curso. Ela foi oferecida como brinde para as minhas alunas queridas.

Receita: Xale Gramado de Valéria Garcia
Fio: Coats Corrente Esterlina 5 – 3 bolas
Composição: 100% algodão
Agulha: circular número 3,0mm de 1 metro de comprimento

Veja esse xale no Ravelry

alta concentração de renda

Esse xale é um presente para minha tia que tanto amo! Uma mulher doce, talentosa e que tem esses olhos lindos, castanhos claros. Euzinha, foi pensando nos seus olhos que me decidi pela cor do fio, meio acobreado.

tricô em prosa - Xale Aeolian Cobre

Depois de muita dúvida na hora de escolher a receita, resolvi me deliciar tricotando um xale que já tinha tecido antes.

É uma receita muito bonita! Uma rápida lida na tradução da receita bastou para constatar que era urgente fazer uma atualização, principalmente na abreviatura da diminuição dupla centralizada. Essa foi minha primeira providência. A segunda foi tricotar a amostra sugerida pela receita para não ter dúvida em relação à numeração da agulha.

Foi tão gostoso tricotar esse xale. Tudo deu certo!

contas de vidro

Eu queria usar muitas contas de vidro nesse xale. Comprei 140 gramas de miçangas Jablonex. Eram tantas miçangas que tive de colocá-las num pote de vidro reciclado, desses de geleia. As contas foram passadas pelo fio com a ajuda de uma agulha de crochê número 0,9mm.

Também usei outra agulha de crochê para fazer os nupps. Nesse caso, usei uma agulha de crochê número 2,5mm e esse vídeo com instruções para fazer os nupps numa única carreira. Para esse xale escolhi fazer os nupps com nove voltas.

tricô em prosa - Xale Aeolian Cobre

As contas são aplicadas no xale desde o primeiro gráfico até o último. Isso significa que esse xale deve ser tricotado em ambiente tranquilo, pacífico e sem distrações. Eu me sentava no sofá, derramava algumas contas de vidro na tampa do pote, posicionava a agulha de crochê ao lado das contas, deixava o gráfico por perto e começava a tecer vagarosamente.

Um belo dia, um movimento descuidado derrubou o pote de miçangas que se espatifou no chão. O vidro se quebrou em pedaços de todos os tamanhos. Encontrei desde pequenas lascas até vidro em pó. Passei duas horas separando as miçangas daqueles pedacinhos minúsculos de vidro cortante. Não sei como, mas consegui não me ferir. Até hoje encontro miçangas nos lugares mais improváveis da casa.

tricô em prosa - Xale Aeolian Cobre

A linha de gráfico mais difícil de tecer foi a de número 43 do Gráfico Barrado Principal, que é tecida simultaneamente com a linha 43 dos gráficos Barrado Direito, Barrado Central e Barrado Esquerdo. Como o algodão não tem elasticidade, colocar as contas nas diminuições foi uma operação meio “esquisita”. E essa linha 43 tem muitas contas aplicadas nas diminuições. Foram duas noites de muita paciência.

o tamanho do xale

A receita traz instruções para tecer o xale em dois tamanhos. A versão menor consome uns 400 metros de fio e a versão maior consome 1000 metros. Para o xale da tia Euzinha eu queria usar no máximo 700 metros de fio. A receita traz instruções claras e simples para modificar o tamanho.

Para modificar o tamanho do xale eu alterei a quantidade de repetições do Gráfico Yucca. A receita indica fazer quatro repetições para o tamanho menor e doze para tecer o xale no tamanho grande. Então eu decidi trabalhar oito repetições. E não tricotei o Gráfico Agave (como indicado para tecer o tamanho menor), fui direto para o Gráfico Agave Final.

Depois de molhado e bloqueado em seu formato final, aprovei! O tamanho ficou perfeito.

tricô em prosa - Xale Aeolian Cobre

O xale foi arrematado com fio duplo, como pede a receita. Como eu não tinha outra bola de fio eu separei em torno de 28 metros do fio e cortei-o. Sobrou pouco mais de 4 metros.
A borda ficou firme, mostrando a renda.

o xale em números

O xale pesa 262 gramas e consumiu 650 metros de fio. Das três bolas de fio Esterlina 5 usadas para tecê-lo restaram apenas 9 gramas!

Foram aplicadas 1349 miçangas no xale. Nunca antes havia usado tantas contas de vidro numa peça!

tricô em prosa - Xale Aeolian Cobre

Depois de molhado e modelado, o xale mede 63 centímetros de altura e tem 122 centímetros de envergadura.

Receita: Xale Aeolian de Elizabeth Freeman
Obs: a designer autorizou a publicação da tradução da receita para o português
Fio: Esterlina 5 – cor 197
Composição: 100% algodão
Agulha: circular número 3mm

Veja esse xale no Ravelry

3º Encontro Gaúcho de Tricô

O 3° Encontro Gaúcho de Tricô realizado pelo Grupo Tricô Tchê, será em Gramado nos dias 26 a 28 de junho de 2015 e promete muita diversão!

Primeiro porque reúne tricoteiras e 3oEncontroGauchoTrico_585pxtricoteiros apaixonados e dispostos a aprender e ensinar diversas técnicas de tricô. Serão várias oficinas!

Segundo porque tem concurso com prêmio surpresa!

E terceiro porque tem passeio pela Serra Gaúcha ao final do encontro!

Particularmente, esse encontro terá um gostinho todo especial para mim porque vou controlar meu pânico de falar em público e ministrar duas oficinas.

Na sexta-feira vou ministrar a oficina “Aprenda a tricotar meias”. Eu simplesmente adoro tricotar meias. E melhor que tricotar, é usar uma meia tecida à mão. É tão gostoso!

Nessa oficina vou ensinar como tricotar meias top-down, aquelas em que os pontos são montados para a perna e a meia é tecida em direção aos dedos.

Meia é o tipo de peça que à primeira vista parece muito complicado de tricotar. Mas depois que a gente aprende como fazer cada parte de uma meia a gente vê que não tem nada de complicado. É só alegria!
tricô em prosa - 3° Encontro Gaúcho de Tricô - Oficina Aprenda a Tricotar Meias

Durante o curso vamos tricotar uma meia de pequenas dimensões, simples e básica mas completa. Assim teremos a prática de todas as habilidades: montagem elástica dos pontos, aba do calcanhar, volta do calcanhar, nesga, dedos e costura invisível. Com a ajuda da matemática das meias, veremos como alterar seu tamanho, o que devemos observar ao escolher algum ponto e tudo mais que deve ser considerado para personalizar a receita da meia.

Já no sábado eu vou ensinar como tricotar xales na oficina “Xale passo a passo”. Bem, xale é minha segunda paixão. Eu me lembro de como fiquei surpresa depois de ter tricotado meu primeiro xale. É uma sensação única, me senti uma super tricoteira!

mosaicoCursoXale_600x600

Nesse curso, quero mostrar todas as etapas: a montagem invisível, como os diversos formatos são obtidos, o caminho das pedras para não se perder no gráfico. Juntas vamos tecer uma amostra que terá até barrado, então vamos molhar e bloquear.

Agora quero deixar aqui o meu convite para você conhecer todas as oficinas que serão ministradas no  3° Encontro Gaúcho de Tricô. Serão dois dias repletos de oficinas diversas, para pessoas iniciantes no tricô e de nível intermediário. Os professores são pessoas dedicadas e apaixonadas pelo assunto.

Para saber o nível de dificuldade de cada oficina, as formas de pagamento e saber como fazer sua inscrição, acesse http://encontrogauchodetrico.wordpress.com/inscricoes-para-oficinas/

E tem mais uma comodidade, a super comissão organizadora firmou parceria com uma agência de turismo. Assim, além de preços especiais para os participantes do encontro, a agência de turismo oficial do encontro vai se encarregar das passagens, dos traslados, reserva em hotéis, etc.

Enquanto a data do encontro não chega, vou controlando a ansiedade e confeccionando o material de apoio dos cursos. E será uma alegria conhecer você no nesse encontro.

um xale que reluz

Essa é a peça que tenho trabalhado nos últimos trinta dias. Foi tecida exclusivamente dentro de casa, com o maior cuidado, já que não queria correr nenhum risco com seu fio finíssimo e delicado. É um presente para minha tia Euzande. Evidentemente, enquanto tecia ia me lembrando de tantos momentos bons, de sua presença carinhosa e divertida.

Zande, esse xale é uma pequena amostra do amor que sinto por você. Que ele envolva você em boas energias, que irradie as boas lembranças, as risadas, as cartinhas que escrevi para você quando era criança, as viagens e tantas outras alegrias!

tricô em prosa - um xale que reluz - Xale Goldmarie

Foi minha prima Ana Luíza quem me disse que sua mãe gosta de amarelo. E eu tinha duas meadas guardadas no baú, de um amarelo que gosto muito, semelhante ao girassol.

Juntas elas somavam 860 metros de um fio muito macio, uma delícia na pele. Para que o xale não ficasse gigantesco, minha intenção era de usar pelo menos 600 metros. No final, o xale consumiu 535 metros e seu tamanho, ao meu ver, ficou excelente.

Achei o fio um pouco difícil de desmanchar. Sorte que tive de desmanchar pouquíssimas vezes. As meadas são do mesmo lote, mas ficou evidente que a segunda possui uma coloração mais intensa que a primeira. Dá para notar no barrado.

tricô em prosa - um xale que reluz - Xale Goldmarie

Para deixar o xale ainda mais especial, 540 contas de vidro foram tecidas nos motivos de folhas do barrado. As contas foram aplicadas com uma agulha de crochê fina o suficiente para passar pelo buraco da conta.

E fiz uma modificação ao tecer o gráfico do barrado: a receita instrui tecer as linhas 1 a 24 do gráfico C, depois repetir as linhas 5 a 18 e então passar para o gráfico D. Como eu queria aumentar mais um nível de folhas, teci as linhas do gráfico C da seguinte maneira: linhas 1 a 24, 5 a 24, 5 a 18 e só então passei para o gráfico D.

tricô em prosa - um xale que reluz - Xale Goldmarie

O xale é arrematado com correntinha de crochê. Bem, correntinha é a única coisa de crochê que (mal) sei fazer. E ainda tenho de me concentrar bastante para que ela não fique rígida.

Uma noite cheguei do trabalho determinada a arrematar o xale. Levei quase quatro horas, mas terminei! Minha concentração foi tamanha que não percebi minha má postura nem o quanto estava tensa.

Na manhã seguinte minha coluna doía tanto que eu mal conseguia andar. O xale estava finalizado, eu morria de vontade de bloqueá-lo na forma final, mas qualquer movimento que eu fizesse me causava dor. Só consegui molhar a peça e esticá-lo três dias depois.

tricô em prosa - um xale que reluz - Xale Goldmarie

Não é a primeira vez que eu tricoto essa receita. Já tinha usado seus gráficos para tecer uma blusa de algodão no ano passado. E com certeza vou usá-los novamente. Adoro esse ponto de folhas.

Agora preciso embalar o presente e enviar!

Receita: Xale Goldmarie de Sue Berg
*A designer autorizou a tradução da receita para o português
Fio: Malabrigo Yarn Lace – cor Sunset
Composição: 100% lã merino
Agulha: circular 3,50mm de 1 metro de comprimento

Veja esse projeto no Ravelry