temporada de morangos

Três meses é muito tempo para tricotar um casaquinho de bebê mas esse foi o tempo que levei para terminar esse casaquinho. Ele foi tecido devagarinho e muitas vezes eu tive de deixá-lo de lado por causa de outras prioridades.

tricô em prosa - temporada de morangos - Cardigã Helena

É a terceira vez que tricoto essa receita, uma delícia de fazer.

E foi a primeira vez que usei esse fio, que gostei muito. Ele é muito macio e vem em cores lindas. Para essa peça eu usei um tom verde bandeira (cor 5611), mas teria sido melhor usar um tom verde claro (cor 7687). Infelizmente, esse verde mais claro não estava disponível para comprar no dia em que fiz a encomenda.

tricô em prosa - temporada de morangos - Cardigã Helena

Tricotei também um par de sapatinhos para combinar com o cardigã. Montei 48 pontos, teci três voltas em cordão de tricô, sendo a primeira volta em tricô. Na quarta volta eu trabalhei [2m, 2pjm] 12 vezes para reduzir a quantidade de pontos para 36. A partir daí, segui a receita original.

tricô em prosa - temporada de morangos - sapatinhos

As flores foram tecidas da maneira em que indiquei nessa publicação. Desta vez, bordei as sementes antes de iniciar as diminuições da sola. Fica muito mais fácil assim. A sola ficou com 10 centímetros, indicado para um bebê de 9 a 12 meses.

Acabamento

Uma amiga que é excelente crocheteira me perguntou outro dia como é que eu fazia o acabamento das peças em tricô. Anos atrás, esse era o meu maior problema. Nunca ficava satisfeita com meu acabamento.

Elizabeth Zimmermann sempre disse que não existe certo ou errado no tricô, e sim aquilo que funciona para cada pessoa. Então eu vou explicar aqui a maneira como eu faço o acabamento das minhas peças.

Passo 1: Primeiro, vou trançando o fio pelo lado avesso com uma agulha de tapeçaria (agulha sem ponta), mais ou menos como mostra as fotografias desse artigo. Deixo uma ponta de uns 8 a 10 centímetros de comprimento.

Passo 2: Separo os cabos que formam as pontas dos fios que restaram. Na fotografia abaixo estão os cabos separados do fio vermelho e do fio verde:
tricô em prosa - temporada de morangos - cardigã Helena

Passo 3: Um por um, passo a ponta de cada cabo por uma agulha de costura (sim, de costura com a ponta fina) e começo a ziguezaguear a agulha por dentro dos fios do avesso do trabalho:
tricô em prosa - temporada de morangos - Como embutir as pontas

Nas fotografias abaixo eu fiz o mesmo com os cabos do fio vermelho. Eles foram passados por dentro da trama do avesso em várias direções:
tricô em prosa - temporada de morangos - Como embutir as pontas
Comecei passando a ponta do cabo para a esquerda.

Continuei com o mesmo cabo passando-o desta vez para a direita. Mudei de direção mais uma vez e deixei uma longa ponta do cabo saindo pela trama.
tricô em prosa - temporada de morangos - Como embutir as pontas

Depois de passar todas as pontas dos cabos pelo lado avesso da trama, elas ficaram assim, bem espalhadas:tricô em prosa - temporada de morangos - Como embutir as pontas

Passo 4: Cortar os fios bem rente:
tricô em prosa - temporada de morangos - Como embutir as pontas

Veja como fica:
Acabamento 10

Sei que muitas vezes restam dezenas de fiozinhos para embutir. Mas como compensa! Fica imperceptível, os fios simplesmente desaparecem no trabalho.
Bem, essa é a maneira que funciona para mim.

Receita: Cardigã Helena de Alison Green
Obs: A designer autorizou a tradução da receita
Receita: Sapatinhos Seamless Baby Booties (top down) de
Fio: Pingouin Balloon nas cores 5611 (verde) e 5362 (vermelho)
Composição: 58% algodão, 42% acrílico
Agulha: circular número 3,50mm e 3,75mm de 1 metro de comprimento

Veja esse suéter no Ravelry

Veja esse sapatinho no Ravelry

Anúncios

como cultivar morangos

Sempre achei esses sapatinhos muito fofos e só estava esperando uma oportunidade para tricotá-los. Eles farão conjunto com um casaquinho que agora está em fase de acabamento.

Eles demandam muito acabamento, pelo menos para mim. São tricotados em várias pequenas etapas: primeiro tecer o sapatinho, os cordões de amarrar e as flores do morangueiro. Depois é necessário costurar as flores, bordar as sementes amarelas e embutir todos as pontas dos fios.

blog trico em prosa - como cultivar morangos - sapatinhos de morango da Pjusken

Procurando saber um pouco mais sobre os morangos, descobri que o que chamamos de sementes, de cor amarela, é que são os verdadeiros frutos do morangueiro. A polpa vermelha é apenas um receptáculo dos diversos frutos. Mas aqui vou chamar o amarelo de sementes e a polpa vermelha de morango, do jeito que conheço.

Para tricotar esses sapatinhos eu mesclei duas receitas, ambas grátis. Uma delas acabou sendo apenas a fonte de inspiração. Não usei essa receita porque ela requer costura (costurar me faz sofrer) e porque pede um fio bem mais fino do que o fio que eu queria usar. Então eu tive de procurar uma receita similar, sem costura e apropriada para fio na espessura do meu.

Por sorte encontrei a receita perfeita, tecida de cima para baixo, ou seja, do tornozelo para a sola, mas ainda assim eu fiz minhas modificações. A designer também elaborou outra versão dessa mesma receita tricotada da sola para cima. A talentosa Sandra Baroni, proprietária do TricôTricô, fez a tradução autorizada da versão tricotada da sola para cima e ainda recheou com links para vídeos instrutivos!

blog trico em prosa - como cultivar morangos - Sapatinhos de Morango da Pjusken

Na receita inspiração, montam-se 60 pontos, trabalha-se uma barra em poucas voltas e então os pontos são diminuídos para 44 pontos. Ou seja, são montados 30% de pontos a mais.

Fazendo a adaptação para a receita sem costura, eu montei 45 pontos com fio verde, trabalhei uma barra em poucas voltas e diminuí a quantidade de pontos para 36. A partir desse ponto eu segui a receita sem modificar nada, com exceção da costura da sola onde usei costura invisível (grafting) no lugar do arremate com três agulhas. Troquei para o fio vermelho uma volta depois dos furinhos para passar o cordão.

Depois que terminei, percebi que o dorso do sapatinho estava muito estreito e que as laterais curvavam-se para dentro, talvez porque os aumentos tivessem ficado muito tensionados.

blog trico em prosa - como cultivar morangos - Sapatinhos de Morango da Pjusken

Então desmanchei a parte vermelha do sapatinho para modificar o dorso.

Além de aumentar um ponto em cada lateral do dorso, não trabalhei os aumentos. Em vez disso, tricotei uma aba retangular para o dorso do sapatinho, passando um ponto sem fazer no início de cada carreira. Quando havia sete pontos passados sem fazer em cada lateral da aba, não virei o trabalho. Continuei levantando e trabalhando em meia torcido (pelo fio de trás) os setes pontos passados sem fazer e prossegui dando a volta pelo calcanhar até levantar e trabalhar em meia torcido os sete pontos passados sem fazer do outro lado da aba. Essa modificação aliviou a tensão, melhorou um pouco a aparência do sapatinho, mas ainda assim as laterais ficaram um pouco curvas.

Cordão de amarrar

Trabalhei os cordões de i-cord e contei as carreiras para assegurar que ambos ficariam com o mesmo comprimento. Na outra ponta do cordão teci uma folha, da seguinte maneira:
Carr.1: todos os pontos em meia
Carr.2-4-6-8-10: todos os pontos em tricô
Carr.3-5: meia até o ponto central, laç, 1m, laç, demais pontos em meia
Carr.7-9: mate simples, meia até últimos dois pontos, 2pjm
Carr.11: mate duplo

blog trico em prosa - como cultivar morangos - Sapatinhos de Morango da Pjusken

Flores do morangueiro

Eu sei que as flores que teci não ficaram nem um pouco parecidas com as verdadeiras flores de morangueiros, que possuem cinco pétalas. A receita traz instruções para tecer flores de morangueiro perfeitas em crochê, mas como eu não sei crochetar tive de improvisar uma flor de tricô.

O que fiz foi o seguinte:
Usando a montagem de Emily Ocker, montar nove pontos. Primeira volta: todos os pontos em meia. Segunda volta: *1m, laç*, repetir os pontos entre **. Terceira volta: arrematar todos os pontos. Puxar bem a ponta do fio onde os pontos foram montados para fechar o centro da flor.

blog trico em prosa - como cultivar morangos - Sapatinhos de Morango da Pjusken

Usando um fio laranja 100% algodão, improvisei o miolo da flor e bordei em ponto duplicado as sementes de morango no dorso do sapatinho.

Tricotar esses sapatinhos envolvem várias etapas e eles requerem mais acabamento, mas achei o resultado muito gracioso e satisfatório. Gostei muito de tricotá-los.

Receita: Pjusken’s Strawberry Booties de Hrönn Jónsdóttir
Fio: Pingouin Noblesse nas cores 353 (cereja), 1642 (seiva) e 002 (branco)
Composição: 70% acrílico e 30% lã
Agulhas: conjunto de 5 agulhas de pontas duplas número 3,50mm

Veja esse projeto no Ravelry

sapatinhos da Saartje

A maioria das peças que tricoto é presenteada e muitas são feitas especialmente para aquela pessoa que ganhará o presente. Mas não consegui esperar pelo bebê que ganharia o casaquinho Owlet, tricotado de pura vontade de ver as corujinhas saindo das agulhas.

Na semana passada, essas corujinhas foram morar na casa dos pais da Fabiana, que nascerá em janeiro. Para acompanhar, tricotei os sapatinhos da Saartje, os primeiros sapatinhos de bebê que tricoto.

Sapatinhos da Saartje

Como não tinha experiência nenhuma, segui à risca o que pedia a receita, tricotei aberto para costurar no final. Não consegui me entender com a tal costura: na sola ficou legal, mas no calcanhar ficava muito mal acabado e dava a impressão de desconforto. Refiz várias vezes, sem sucesso.

Sapatinhos da Saartjes

Então me veio uma solução, percebi que poderia tricotar circularmente, de baixo para cima, usando a montagem mágica da Judy. Segui todas as instruções da receita, exceto pelas seguintes adaptações:

  • Montei 32 pontos no lugar de 31
  • A primeira volta foi trabalhada em tricô, a segunda em meia, e assim sucessivamente
  • Trabalhei a frente do sapatinho deixando dois pontos centrais, e não apenas um ponto
  • Não montei as tiras separadamente, como é orientado no PDF da receita. Preferi trabalhar até o final da carreira e montar 12 pontos usando a montagem cable cast-on. O ganho é que temos menos fios para embutir na fase de acabamento, afinal são duas tiras por sapatinho.

Sapatinhos da Saartjes

Na primeira tentativa, suprimi as voltas 21 à 23 (sem querer) e o sapatinho ficou pequenino. Não desmanchei. Tricotei mais um par, dessa vez com todas as carreiras, que ficou um pouco maior que o primeiro. Presenteei os dois.

Observação: no modelo original, esses sapatinhos são tricotados em duas cores, como podemos ver nessa seleção de fotografias do Flickr!

Sapatinhos da Saartjes

Fiz o cartão usando o papel de uma sacola de sapatos. Furei o cartão antes de costurar dois botões idênticos aos do casaco, para ajudar a mamãe da Fabiana caso algum botão venha a se perder. Me inspirei nesses cartões aqui.

Atualização de 29/julho/2013: A talentosa Sandra do blog Tricô e Mais Tricô publicou a tradução da receita Sapatinhos da Saartje com autorização da designer.
Obrigada, Sandra!

Receita: Saartje’s Booties por Saartje de Bruijn
Fio: Pingouin Noblesse na cor 1818 Platinado
Agulha: circular número 3,0mm de 1 metro de comprimento

Veja este projeto no Ravelry

Most of the projects I knit are gifts and lots of them are made specially for the person that will receive it. But I couldn’t wait for the baby that would receive the Owlet cardigan, which was knit out of pure will of seeing those little owls caming out the needles.Last week, those owls went to live at baby Fabiana’s parents, she’ll be born next January. And I’ve knit Saartje’s booties to go with the cardigan, first baby booties I’ve ever knit.

As I had no experience at all, I followed the pattern strictly, I’ve knit it flat to sew it afterwards. But I couldn’t work those seams: it looked nice at the sole, but it didn’t looked neither nice nor comfortable at the heel. I’ve redone it several times, with no success.

Then the solution suddenly hit me. I realized I could knit it circularly, bottom-up, using Judy’s magic cast on. I followed all the instructions, except for:

  • I cast-on 32 stitches instead of 31
  • The first round was purled, the second one was knitted, and so on
  • The front of the bootee was worked with two central stitches instead of one
  • I didn’t cast on for the straps separately, as shown on pattern instructions. I’ve chosen to work until the end of the row and cast 12 stitches on using the cable cast-on. It meant fewer ends to weave, after all we get two straps per bootee

On my first attempt, I forgot to knit rounds 21-23 and the booties came out tiny. I didn’t frog. I knitted another pair, this time with all the rows, and it came out a little bigger than the first one.

Note: the original bootee is knit using two colors, as we can see at this photo selection on Flickr!

I made the card with the paper from a paper bag. I made tiny holes before sewing two buttons, the same type that was sewn on the cardigan, to help Fabiana’s mother in case it misses one of the buttons. I found inspiration on those cards.

Pattern: Saartje’s Booties by Saartje de Bruijn
Yarn: Pingouin Noblesse – colorway 1818 Platinado
Needles: circular US#4 60 inches long

See this project on Ravelry