receita traduzida – Xale Geschenk

Era uma vez uma talentosa designer que ganhou fios de presente e em troca nos presenteou com essa bela receita de xale rendado.

trico em prosa - receita traduzida - Xale Geschenk

Muito generosa, ela autorizou a publicação da tradução do Xale Geschenk para o português! Não é um presentão?

Thank you very much, Rosemary (Romi) Hill!

Anúncios

um xale para o verão

A verdade é que eu não me cabia em mim de vontade de tricotar esse xale, com sua renda plena de flores de campânula.

trico em prosa.com - um xale de verão - Xale Dorothy

Para tecê-lo, não desgrudei os olhos dos gráficos. Repleto de duplas laçadas, a atenção também deve ser dupla. Além disso algumas linhas são trabalhadas também no lado avesso. Os erros que cometi foram descobertos rapidamente, sem necessidade de desmanchar muito, exceto por um, horroroso, percebido tardiamente, do qual falarei mais tarde.

Início
A borda superior desse xale não é trabalhada em cordões de tricô e sim com uma renda bem delicada, diferente.

trico em prosa.com - um xale de verão - Dorothy

O início desse xale não foi simples. Por três vezes tentei montar os pontos mas não conseguia pegar os pontos na lateral nem onde os pontos foram montados. Hora de parar e estudar.

Pesquisando no grupo da designer Jane Araújo no Ravelry eu encontrei essa dica.

A solução foi usar a montagem e-loop sugerida pela designer. Montei os pontos usando essa técnica, teci a primeira carreira, olhei bastante para ver como havia ficado e determinei onde levantaria os pontos nessa extremidade. Segui as demais instruções e funcionou, consegui montar os pontos da borda superior e parti para o gráfico da primeira repetição.

O corpo
Queria fazer o tamanho do xale indicado na receita, com quinze motivos de flor de campânula em cada metade do xale. Para obter quinze motivos em cada metade seriam necessárias oito repetições do gráfico.

Depois que terminei a primeira repetição, pausa para desmanchar e recomeçar usando agulha de numeração menor. Troquei a agulha 4mm pela 3,5mm.

Nos primeiros dias as repetições fluíam rapidamente, a quantidade de pontos nas agulhas ainda era pequena. Usei marcadores de pontos nas laçadas duplas. No prazo de uma semana havia concluído seis repetições e cada metade do xale já exibia onze motivos de flor.

trico em prosa.com - um xale de verão - Dorothy

Na segunda semana estava trabalhando a penúltima repetição do corpo, era o dia do meu aniversário e descobri um erro terrível bem no início do xale, lá na segunda repetição. Isso me deixou muito, muito chateada. Estava pensando em presentear o xale, mas nunca o faria com esse erro horrendo. E não estava nem um pouco a fim de desmanchar até a segunda repetição para refazê-lo.

trico em prosa.com - um xale de verão - Dorothy

Cogitei isolar e desmanchar apenas as colunas de pontos desse elemento e refazer a renda usando agulhas de pontas duplas, como foi mostrado nessa publicação. Quando se trata de tranças é um processo fácil e já fiz algumas vezes. Mas como seria refazer pontos rendados?

Para ter uma ideia do tamanho da tarefa, isolei a coluna e desmanchei apenas a primeira linha. Logo vi que não seria fácil. Refazer renda, que nesse caso é trabalhada algumas vezes também pelo avesso, com um fio tão fino e duplas laçadas… Me acovardei. Então decidi o seguinte: eu exibirei esse erro gritante por aí, esse xale será meu.

A barra
Na terceira semana concluí a oitava e última repetição do corpo e iniciei os gráficos da barra. Nessa altura havia tantos pontos nas agulhas que demorei uma semana para concluir a barra e arrematar. E o arremate em correntinha de crochê, levei três dias para concluir, crochetando no carro, no clube, sempre que tinha uma brechinha.

trico em prosa.com - um xale de verão - Dorothy

O fio
Resolvi experimentar o fio Esterlina e comprei três novelos para tecer esse xale, são 690 metros. Usei menos da metade do terceiro novelo. No mínimo haveria duas junções de fio no trabalho.

Quando o fio acaba, nunca junto um novo fio dando nó do lado avesso. A trama do tricô não é estática, está sempre se ajustando, se acomodando às trações impostas ao manusear a peça, seja ao usá-la ou lavá-la. Sempre há o risco do nó passar para a frente do trabalho e se acomodar ali.

O que faço quando o fio vai acabar é trabalhar até restar uns 15 centímetros, então pego o novo fio deixando sobrar outros 15 centímetros desse fio também. Segurando os dois fios, com as pontas em direções opostas, trabalho dois pontos consecutivos em fio duplo. Então solto o fio mais curto e passo a tricotar com o novo novelo. Fica firme, e sem nó algum. No avesso ficam as duas pontas que serão embutidas na fase de acabamento. E depois de embutidas, fica imperceptível, profissional. Se for um fio mais grosso, trabalho em fio duplo apenas um ponto e basta.

trico em prosa.com - um xale de verão - Dorothy

O primeiro novelo de Esterlina não tinha nenhuma emenda. Já o segundo veio com duas emendas, dois nós super apertados. Tive de cortá-los. Eu já previa dois pares de pontas no avesso porque usaria três novelos. Mas no final, foram quatro pares de pontas, mais a ponta da montagem dos pontos e a ponta do arremate. Mas ficou perfeito, imperceptível, mesmo usando um fio tão fino.

trico em prosa.com - um xale de verão - Dorothy

O xale cresceu bastante depois de bloqueado na sua forma final. É incrível como esse amontoado de pontos cresce depois de molhado e se transforma num verdadeiro xale ao ser bloqueado! Vê-lo esticadinho no chão da sala espetado nas placas de E.V.A me deu uma sensação muito boa!

Apesar dos nós eu gostei muito do fio, do seu caimento, do tato, é fresco!
Tricotar esse xale foi uma delícia!

Receita: Dorothy de Mawelucky/Jane Araújo
Fio: Coats Corrente Esterlina 5
Composição: 100% algodão mercerizado
Agulhas: circular número 3,5mm de 1 metro de comprimento

Veja este projeto no Ravelry

inconfundível gail

Preciso dizer o nome desse xale? Mal deitar os olhos nessas belas folhas, o coração grita: é o inconfundível Gail (aka Nightsongs)! Desde que a receita foi lançada, milhares de pessoas são atraídas por sua beleza, tal qual canto de sereia que encanta marinheiros e piratas!

Xale Gail

Lendo os depoimentos no Ravelry das pessoas que tricotaram esse xale não pude deixar de perceber que tricotá-lo desperta todo tipo de reação, sempre apaixonada. Os relatos vão desde a enorme satisfação ao ver a renda formar-se tão majestosa à frustração daqueles que tiveram problemas ao tecê-lo.

Xale Gail

Curioso também como muitos usaram artimanhas para possuí-lo, criaram “versões” apenas para chamar de seu a receita desse xale cuja renda os havia encantado. E surgiram até mesmo versões de versões.

Mas a questão é que o mundo inteiro reconhece a exuberância dessas folhas, o mundo inteiro sabe que o xale Gail (aka Nightsongs) foi criado pela Mawelucky/Jane Araújo, que coleciona histórias e mais histórias de sua obra-prima.

Xale Gail

Entre tantos projetos inacabados, mal pude esperar para montar os pontos dessa lindeza. Minha vontade era de me dedicar exclusivamente a tricotar esse xale. Tive de me policiar senão abandonava todos os projetos iniciados, os quais eu tinha de terminar pois os bebês crescem muito rápido! Por esse motivo terminá-lo levou muito mais tempo do que seria esperado.

Depois de tricotar a primeira repetição do gráfico, segui repetindo as linhas 23 a 38. Usei apenas um dos gráficos para tricotar ambos lados do xale, o “Gráfico 1 – Lado esquerdo”. Para o corpo do xale, tricotei seis repetições do gráfico.

Xale Gail

marcadores de pontos
Adoro o fato desse xale não apresentar espinha dorsal. Por isso devemos trabalhar uma laçada dupla bem no meio do xale. Foi nesse ponto que coloquei um marcador de ponto vermelho. Os demais marcadores de pontos (nas cores azul, verde e preto) foram colocados nos quadrados em branco do gráfico, que separam os pontos da parte clara dos pontos da parte acinzentada do gráfico.

Xale Gail

Cometi pouquíssimos erros. A única vez que precisei desmanchar, já estava na terceira carreira da borda do xale quando percebi que havia trabalhado laçada dupla no ponto central da primeira carreira. Refiz a primeira carreira trabalhando uma laçada simples.

Arrematei usando o arremate incrivelmente elástico da Jeny, que também é incrivelmente simples de fazer! A Cat Bordhi fez um vídeo excelente ensinando esse arremate e no final ela mostra como fazer um acabamento perfeito antes de embutir as pontas. (Obs: algum tempo depois de escrever essa publicação, eu acabei fotografando um tutorial sobre esse arremate)

Sobraram apenas 6 gramas de fio.

acabamento
O tempo todo tive dúvidas se as cores mescladas do fio que escolhi iriam dificultar a visualização da renda. Mas depois que molhei e abri a renda nas mãos, o padrão saltou aos olhos! Esse fio foi adquirido no Café Tricot.

Antes de bloquear o xale em sua forma final, ele media 100 centímetros de envergadura por 50 centímetros de altura. Podemos vê-lo recém saído das agulhas, todo amassadinho na fotografia abaixo:
Xale Gail

Depois de bloquear, ele mede 156 centímetros e 70 centímetros de altura. Abaixo o mesmo detalhe da fotografia acima, bloqueado em sua forma final:
Xale Gail

Esse xale será presenteado para a minha irmã em seu aniversário. Ela é uma pessoa de altíssimo astral, calorosa, vibrante, inteligente, intensa, amiga e apaixonada.
Amo muito você, Cinara!

Receita: Gail (aka Nightsongs)* de Mawelucky/Jane Araújo
*tradução para o português (a pedido da própria designer) publicada em https://tricoemprosa.com/traducao/xale-gail-aka-nightsongs/
Fio: Malabrigo Yarn Sock na cor Velvet Grapes
Agulha: circular número 4,50mm de 100 centímetros de comprimento

Veja este projeto no Ravelry

o primeiro xale e um agradecimento

Antes de tricotar xales eu achava que nunca usaria um. Via todos aqueles xales exuberantes, admirava-os, mas achava que eles só seriam indicados para ocasiões formais, como um casamento.

O primeiro xale que teci seria presenteado para a senhora que aluga sua sala comercial para o meu marido. Ela é muito atenciosa, sempre nos manda frutas do seu sítio, ovos frescos, pão de queijo, mexericas… Um amor! Eu queria muito tricotar um mimo bem bonito para ela e retribuir toda atenção e simpatia.

Bitterroot Shawlette

Meu primeiro impulso foi tricotar um cachecol, uma vez que é prático, não precisa tirar medidas, basta que seja longo o suficiente para dar uma volta no pescoço. Mas me deparei com a receita do xale Bitterroot da Rosemary (Romi) Hill. Li a receita várias vezes e me pareceu fácil. Como eu tinha um fio 100% algodão de espessura similar à requisitada pela receita, resolvi tentar tecer o de tamanho menor.

Tricotar o primeiro xale foi um marco. Foi quando vi que era capaz de tricotar renda. E melhor de tudo, descobri que tricotar renda não era difícil. Também foi a primeira peça que bloqueei. Adorei essa etapa, foi mágico assistir a renda se mostrar tão bela depois de molhar e esticar a trama.

Bitterroot ShawletteDepois que o xale ficou pronto eu me apaixonei por ele e não queria entregar o presente de jeito nenhum! Fui trabalhar usando esse xale com uma camiseta da mesma cor e calça jeans preta. Ele mora no meu guarda-roupa desde então. A proprietária da sala comercial? Assei um bolo integral de banana com castanhas-do-pará que ela gostou tanto que me pediu receita :-)

Voltei a tricotar o xale Bitterroot, só que no tamanho grande. Dessa vez consegui desapegar, ele foi enviado para minha mamãe. Ainda encantada, pedi autorização para publicar a tradução do xale Bitterroot para o português.

Ando pensando muito na história do primeiro xale e no quanto eu sou eternamente grata às designers, essas pessoas que criam peças tão bonitas e disponibilizam a receita. Admiro-as pelo dom de criar e por nos ensinar a tricotar essas peças.

Sobretudo, agradeço a oportunidade que elas nos dão de comprar suas receitas. Nada mais frustrante que ver uma receita linda no Ravelry e descobrir que é uma receita pessoal. Mas fazer o quê? Escrever uma receita não é tarefa fácil.

De coração, muito obrigada. Eu nunca me aventuraria a tricotar renda não fosse todo esse trabalho de vocês, designers.

receita traduzida – Xale Gail

Xale Gail

Fotografia: Mawelucky/Jane Araujo

Os xales que a MaweLucky/Jane Araújo cria são poemas feitos com fios, fluidos e elegantes.

Como resistir? Através do Ravelry, comprei duas de suas receitas: a do xale Dorothy e a do xale Luiza. Agora só falta encontrar o fio certo para montar os pontos dessas belezas!

Com a maior alegria recebi sua autorização para publicar a tradução do Xale Gail para o português, receita belíssima que ela, muito generosa, disponibilizou de graça.

Obrigada, Jane!