temporada de morangos

Três meses é muito tempo para tricotar um casaquinho de bebê mas esse foi o tempo que levei para terminar esse casaquinho. Ele foi tecido devagarinho e muitas vezes eu tive de deixá-lo de lado por causa de outras prioridades.

tricô em prosa - temporada de morangos - Cardigã Helena

É a terceira vez que tricoto essa receita, uma delícia de fazer.

E foi a primeira vez que usei esse fio, que gostei muito. Ele é muito macio e vem em cores lindas. Para essa peça eu usei um tom verde bandeira (cor 5611), mas teria sido melhor usar um tom verde claro (cor 7687). Infelizmente, esse verde mais claro não estava disponível para comprar no dia em que fiz a encomenda.

tricô em prosa - temporada de morangos - Cardigã Helena

Tricotei também um par de sapatinhos para combinar com o cardigã. Montei 48 pontos, teci três voltas em cordão de tricô, sendo a primeira volta em tricô. Na quarta volta eu trabalhei [2m, 2pjm] 12 vezes para reduzir a quantidade de pontos para 36. A partir daí, segui a receita original.

tricô em prosa - temporada de morangos - sapatinhos

As flores foram tecidas da maneira em que indiquei nessa publicação. Desta vez, bordei as sementes antes de iniciar as diminuições da sola. Fica muito mais fácil assim. A sola ficou com 10 centímetros, indicado para um bebê de 9 a 12 meses.

Acabamento

Uma amiga que é excelente crocheteira me perguntou outro dia como é que eu fazia o acabamento das peças em tricô. Anos atrás, esse era o meu maior problema. Nunca ficava satisfeita com meu acabamento.

Elizabeth Zimmermann sempre disse que não existe certo ou errado no tricô, e sim aquilo que funciona para cada pessoa. Então eu vou explicar aqui a maneira como eu faço o acabamento das minhas peças.

Passo 1: Primeiro, vou trançando o fio pelo lado avesso com uma agulha de tapeçaria (agulha sem ponta), mais ou menos como mostra as fotografias desse artigo. Deixo uma ponta de uns 8 a 10 centímetros de comprimento.

Passo 2: Separo os cabos que formam as pontas dos fios que restaram. Na fotografia abaixo estão os cabos separados do fio vermelho e do fio verde:
tricô em prosa - temporada de morangos - cardigã Helena

Passo 3: Um por um, passo a ponta de cada cabo por uma agulha de costura (sim, de costura com a ponta fina) e começo a ziguezaguear a agulha por dentro dos fios do avesso do trabalho:
tricô em prosa - temporada de morangos - Como embutir as pontas

Nas fotografias abaixo eu fiz o mesmo com os cabos do fio vermelho. Eles foram passados por dentro da trama do avesso em várias direções:
tricô em prosa - temporada de morangos - Como embutir as pontas
Comecei passando a ponta do cabo para a esquerda.

Continuei com o mesmo cabo passando-o desta vez para a direita. Mudei de direção mais uma vez e deixei uma longa ponta do cabo saindo pela trama.
tricô em prosa - temporada de morangos - Como embutir as pontas

Depois de passar todas as pontas dos cabos pelo lado avesso da trama, elas ficaram assim, bem espalhadas:tricô em prosa - temporada de morangos - Como embutir as pontas

Passo 4: Cortar os fios bem rente:
tricô em prosa - temporada de morangos - Como embutir as pontas

Veja como fica:
Acabamento 10

Sei que muitas vezes restam dezenas de fiozinhos para embutir. Mas como compensa! Fica imperceptível, os fios simplesmente desaparecem no trabalho.
Bem, essa é a maneira que funciona para mim.

Receita: Cardigã Helena de Alison Green
Obs: A designer autorizou a tradução da receita
Receita: Sapatinhos Seamless Baby Booties (top down) de
Fio: Pingouin Balloon nas cores 5611 (verde) e 5362 (vermelho)
Composição: 58% algodão, 42% acrílico
Agulha: circular número 3,50mm e 3,75mm de 1 metro de comprimento

Veja esse suéter no Ravelry

Veja esse sapatinho no Ravelry

amostras: use-as sem moderação

Apesar do silêncio no Tricô em Prosa, uma parcela expressiva do meu tempo livre tem sido direcionada ao tricô. Recentemente eu terminei de escrever as apostilas dos cursos do 3º Encontro Gaúcho de Tricô que vou ministrar.

E faz vários meses que venho tricotando muitas amostras! Foram tantas que me deu vontade de falar sobre esse assunto.

tricô em prosa - amostras: use-as sem moderação

Uma vez li sobre uma experiência na qual doze pessoas foram solicitadas a tricotar um quadrado seguindo as mesmas instruções, usando o mesmo fio e agulha número 4,5mm. Nenhuma das doze amostras tecidas ficou igual à outra. Nenhuma! A quantidade de pontos em 10 cm variou de 17 a 22 pontos e a quantidade de carreiras em 10 cm variou de 26 a 32 carreiras. De fato, cada pessoa tem uma tensão única ao tricotar.

Atualmente, posso afirmar que adoro tricotar amostras. Mas nem sempre foi assim. Talvez isso seja algo que só se aprende com a experiência. Ou, melhor dito, com as más experiências…

tricô em prosa - amostras: use-as sem moderação

No início, eu praticamente ignorava essa etapa. Mais tarde eu compreendi que se quisesse acertar eu teria de checar a minha tensão. Eu o fazia, mas à contragosto.

Hoje tudo mudou e essa é uma etapa que me diverte. Esses pequenos quadradinhos de tricô me poupam tempo, evitam lágrimas, aumentam minha confiança e ampliam as possibilidades de sucesso! Como não amar?

Meus motivos para tecer amostras

Às vezes tricoto amostras por puro deleite, quando estou morrendo de vontade de experimentar um fio que acabei de comprar. Uma amostra em ponto jérsey já satisfaz a vontade. Anoto todos os dados para aproveitar mais tarde, claro.

Sou da opinião que tricotar amostras me dá oportunidades: tenho a chance de aprender o ponto da peça, de ver se o fio combina com o ponto principal, de saber se a trama vai encolher ou esticar depois de molhada.

tricô em prosa - amostras: use-as sem moderação

Para mim, fazer amostras é como fazer um investimento. Investir um dia tricotando uma amostra e outro esperando que ela seque vai me poupar semanas trabalhando numa peça que poderá não agradar ou pior, não servir. Um investimento que rende certezas, confiança e satisfação!

Amostras à minhas maneira

Se a amostra for de uma peça que será tecida ida e volta, virando o trabalho no fim da carreira, então faço a amostra da mesma maneira. Gosto de emoldurar o ponto principal da amostra com cordões de tricô ou ponto arroz para que ela não enrole. Fica bem mais fácil de medir.
blog tricô em prosa - Amostra Lauriel - agulha 3.5mm - úmida
Para emoldurar eu trabalho as primeiras e últimas carreiras em cordões de tricô ou ponto arroz, assim como os primeiros e últimos pontos de cada carreira.

O tamanho da amostra depende da espessura do fio, da numeração da agulha e do ponto. Se for em ponto jérsey, minha amostra será pequena, uns 25 ou 30 pontos. Se for uma amostra de um ponto múltiplo de um número (ex. múltiplo de 4, 6, etc.) então calculo três ou quatro repetições do ponto, mais dez pontos de borda (cinco de cada lado).

Se a amostra for de uma peça circular, como um gorro, ela será tecida simulando o tricô circular (pontos trabalhados sempre no lado direito), como as duas amostras exibidas na fotografia abaixo.
blog tricô em prosa - Amostras para as meias de algodão
Uso uma agulha circular e trabalho o lado direito da amostra. No final da carreira eu não viro o trabalho e sim deslizo-o para a outra ponta da agulha. Então deixo um longo fio pendendo atrás do trabalho e tricoto outra carreira novamente pelo lado direito. E assim, sucessivamente. Simula o tricô circular, mas a amostra é plana, mais fácil de medir.

Outro cuidado que tenho é de molhar a amostra antes de medir. Todas as amostras que teci mudaram muito depois de molhadas. Na maioria das vezes a amostra cresce e os pontos ficam bem mais bonitos e uniformes. Como praticamente todas as peças que eu tricoto serão lavadas, eu preciso molhar para checar o que vai acontecer.

tricô em prosa - amostras: use-as sem moderação

Gosto de lavar a amostra do jeito que vou lavar a peça final. Se vou usar alfinetes para secar a peça final, uso alfinetes para secar a amostra. E só meço a amostra depois que ela estiver completamente seca porque a quantidade de pontos altera bastante.

Bem, sei que meu pequeno caso de amor em relação às amostras ainda vai render muitos e muitos quadradinhos!

ursinho de luz

Falar sobre esse conjuntinho de bebê não é fácil. Não tem como sentir um aperto no coração. Começa com uma tristeza mas aos pouquinhos se transforma em contentamento. Eu senti uma necessidade enorme de tecê-lo. Precisava de tricotar algo simples, que me mantivesse concentrada, mas acima de tudo, eu precisava tricotar algo muito fofo para a Maria Luz.

Foi assim que tricotei esse conjuntinho com muito, muito, muito amor.

tricô em prosa - ursinho de luz - gorro e mitenes de filhote de urso

Eu ainda tinha um novelo marrom que sobrou desse cardigã. O fio que é bem mais fino do que recomenda a receita. Queria que ficasse de um tamanho que a Maria Luz pudesse usá-lo agora até completar no máximo três meses. Então ele deveria ficar bem menor que o tamanho de seis meses, o menor tamanho que a receita apresenta.

Na receita 10 centímetros da amostra deve ter 18 pontos e recomenda-se agulha 4.5mm. Minha amostra foi tecida com agulha 3.5mm e 10 centímetros têm 21 pontos. Por isso fui em frente e montei os pontos para fazer um gorro pequenino, para recém-nascido.

tricô em prosa - ursinho de luz - gorro e mitenes de filhote de urso

Depois de tricotar as orelhas umas quatro vezes e costurá-las no gorro com resultado duvidoso, resolvi improvisar. Contei um certo número de carreiras (anotei para fazer idêntico com a outra orelha) e ali levantei cinco pontos diretamente do gorro. Então trabalhei ida e volta formando a orelha do urso assim:

Carreira 1 (avesso) e demais carreiras ímpares: todos os pontos em tricô
Carreira 2 (direito) : 2m, mft, 2m
Carreira 4: 2m, mft x 2, 2m
Carreira 6: 2m, mft x 4, 2m
Carreira 8: 2m, mft x 8, 2m
Carreira 10: todos os pontos em meia
Carreira 12: 2m, 2pjm x 8, 2m
Carreira 14: 2m, 2pjm x 4, 2m
Carreira 16: 2m, 2pjm x 2, 2m
Carreira 18: 2m, 2pjm, 2m
Arrematar.

Dobrei ao meio e costurei as laterais fazendo as orelhas ficarem curvadas para frente. Elas ficaram gordinhas, fofas, do jeitinho que eu queria! Só não fiz o interior das orelhas com o fio rosa porque ele era muito mais grosso que o fio marrom e o resultado não ficou legal em nenhuma das minhas tentativas.

tricô em prosa - ursinho de luz - gorro e mitenes de filhote de urso

Há muito tempo queria usar um balão para modelar o gorro. Antes eu lavava o gorro e deixava secando dobrado (claro!) sobre uma toalha. Depois que a parte de cima secava eu tinha de virar para que a parte de baixo pudesse secar também.

Usando o balão o gorro seca por inteiro, é bem mais rápido e sem dobras! Coloquei para secar equilibrando-o na caneca de porcelana, em um canto do quarto que é muito bem iluminado e ventilado.

tricô em prosa - ursinho de luz - gorro e mitenes de filhote de urso

As mitenes ficaram tão pequeninas que ainda tenho dúvidas se vão servir. Caso não sirvam eu tricoto outro par rapidinho.

Ah! Se eu for tricotar outro par, unirei as duas luvas com um i-cord de 70 centímetros de comprimento, como essas aqui. Elas devem ser passadas por dentro do casaquinho e se saírem das mãos do bebê, ficarão penduradas e não se perderão.

Receita: Bear Cub Hat & Mitts da Linda Cyr
Fio: Cisne Merino na cor 4025 (marrom)
Composição: 50% merino, 50% microfibra
Agulhas: circular número 3,50mm

Veja esse conjunto no Ravelry

em dose dupla

Estava difícil conter a vontade crescente de tricotar casaquinhos para minha enteada querida que está esperando gêmeos!

tricô em prosa - em dose dupla - Casaquinho Bem Comportado

Eu não queria esperar até saber o sexo dos bebês. Mas então, como eu tricotaria os casaquinhos sem saber se seriam dois garotos, duas meninas ou se viria um casal? Sofri vários dias até encontrar uma solução: tricotaria os casaquinhos usando cores neutras e daria o toque final com as cores dos botões. Os botões só seriam pregados depois.

Desse modo, poderia saciar a vontade de tricotar algo para os bebês! Era só escolher uma receita e ser feliz! Mas semanas se passaram e não conseguia encontrar uma receita que fosse satisfazer minha vontade de tricotar casaquinhos fofos…

tricô em prosa - em dose dupla - Casaquinho Bem Comportado

Navegando sem rumo pela internet eu me deparei com um casaquinho de bebê ultra charmoso. O problema é que ele não era de tricô. Volta e meia eu retornava àquela página para ver o casaquinho. Olhando mais atentamente, vi que poderia tricotar um casaquinho daquele modelo clássico.

Pesquisei o padrão das medidas de bebês, tricotei amostras e comecei a fazer contas. Muitas contas. Anotava tudo numa folha do meu caderno de tricô.

Como é difícil escrever uma receita! Fiquei surpresa com a quantidade de decisões só para tricotar um casaquinho de bebê. São muitos cálculos até conseguir rascunhar uma receita para enfim poder tricotar alguma coisa.

tricô em prosa - em dose dupla - Casaquinho Bem Comportado

E quando comecei a tricotar, tive de refinar cálculos, ajustar alguns números e desmanchar várias vezes. As anotações do caderno foram riscadas e atualizadas para refletir as novas contas. E foram riscadas de novo e uma vez mais, até que tive de arrancar a folha do caderno e passar à limpo.

Ao tricotar o segundo casaquinho, seguindo o rascunho da receita, tive de corrigir um único número que ainda refletia uma versão anterior do casaco. O segundo casaquinho foi super rápido de tricotar! Foi só seguir a receita e lá estava ele, igualzinho ao primeiro, com exceção da cor!

tricô em prosa - em dose dupla - Casaquinho Bem Comportado

Então minha enteada fez um novo ultrassom e nos brindou com a notícia de que espera um casal!

O engraçado é que eu já não queria combinar as cores dos botões com o sexo dos bebês. Que nada! Escolhi botões com cores idênticas às cores dos casacos. Simples e clássico.

tricô em prosa - em dose dupla - Casaquinho Bem Comportado

Escrever essa receita foi um processo lento, frustrante por vezes, mas no geral senti aquela adrenalina boa que a superação de desafios proporciona! Sem falar que foi altamente recompensador ter nas mãos o casaquinho e ver que ficou do jeito que tinha imaginado.

Os dois casaquinhos estão prontos para aquecer os corações do João Miguel e da Maria Luz! Que venham com muita saúde!

Receita: Casaquinho Bebê Comportado de Valéria Garcia
Fio: Cisne Cetim nas cores 881 (cinza escuro) e 879 (cinza claro)
Composição: 70% acrílico, 30% lã
Agulha: circular número 4mm de 1 metro de comprimento

Veja esses casaquinhos no Ravelry

alta concentração de renda

Esse xale é um presente para minha tia que tanto amo! Uma mulher doce, talentosa e que tem esses olhos lindos, castanhos claros. Euzinha, foi pensando nos seus olhos que me decidi pela cor do fio, meio acobreado.

tricô em prosa - Xale Aeolian Cobre

Depois de muita dúvida na hora de escolher a receita, resolvi me deliciar tricotando um xale que já tinha tecido antes.

É uma receita muito bonita! Uma rápida lida na tradução da receita bastou para constatar que era urgente fazer uma atualização, principalmente na abreviatura da diminuição dupla centralizada. Essa foi minha primeira providência. A segunda foi tricotar a amostra sugerida pela receita para não ter dúvida em relação à numeração da agulha.

Foi tão gostoso tricotar esse xale. Tudo deu certo!

contas de vidro

Eu queria usar muitas contas de vidro nesse xale. Comprei 140 gramas de miçangas Jablonex. Eram tantas miçangas que tive de colocá-las num pote de vidro reciclado, desses de geleia. As contas foram passadas pelo fio com a ajuda de uma agulha de crochê número 0,9mm.

Também usei outra agulha de crochê para fazer os nupps. Nesse caso, usei uma agulha de crochê número 2,5mm e esse vídeo com instruções para fazer os nupps numa única carreira. Para esse xale escolhi fazer os nupps com nove voltas.

tricô em prosa - Xale Aeolian Cobre

As contas são aplicadas no xale desde o primeiro gráfico até o último. Isso significa que esse xale deve ser tricotado em ambiente tranquilo, pacífico e sem distrações. Eu me sentava no sofá, derramava algumas contas de vidro na tampa do pote, posicionava a agulha de crochê ao lado das contas, deixava o gráfico por perto e começava a tecer vagarosamente.

Um belo dia, um movimento descuidado derrubou o pote de miçangas que se espatifou no chão. O vidro se quebrou em pedaços de todos os tamanhos. Encontrei desde pequenas lascas até vidro em pó. Passei duas horas separando as miçangas daqueles pedacinhos minúsculos de vidro cortante. Não sei como, mas consegui não me ferir. Até hoje encontro miçangas nos lugares mais improváveis da casa.

tricô em prosa - Xale Aeolian Cobre

A linha de gráfico mais difícil de tecer foi a de número 43 do Gráfico Barrado Principal, que é tecida simultaneamente com a linha 43 dos gráficos Barrado Direito, Barrado Central e Barrado Esquerdo. Como o algodão não tem elasticidade, colocar as contas nas diminuições foi uma operação meio “esquisita”. E essa linha 43 tem muitas contas aplicadas nas diminuições. Foram duas noites de muita paciência.

o tamanho do xale

A receita traz instruções para tecer o xale em dois tamanhos. A versão menor consome uns 400 metros de fio e a versão maior consome 1000 metros. Para o xale da tia Euzinha eu queria usar no máximo 700 metros de fio. A receita traz instruções claras e simples para modificar o tamanho.

Para modificar o tamanho do xale eu alterei a quantidade de repetições do Gráfico Yucca. A receita indica fazer quatro repetições para o tamanho menor e doze para tecer o xale no tamanho grande. Então eu decidi trabalhar oito repetições. E não tricotei o Gráfico Agave (como indicado para tecer o tamanho menor), fui direto para o Gráfico Agave Final.

Depois de molhado e bloqueado em seu formato final, aprovei! O tamanho ficou perfeito.

tricô em prosa - Xale Aeolian Cobre

O xale foi arrematado com fio duplo, como pede a receita. Como eu não tinha outra bola de fio eu separei em torno de 28 metros do fio e cortei-o. Sobrou pouco mais de 4 metros.
A borda ficou firme, mostrando a renda.

o xale em números

O xale pesa 262 gramas e consumiu 650 metros de fio. Das três bolas de fio Esterlina 5 usadas para tecê-lo restaram apenas 9 gramas!

Foram aplicadas 1349 miçangas no xale. Nunca antes havia usado tantas contas de vidro numa peça!

tricô em prosa - Xale Aeolian Cobre

Depois de molhado e modelado, o xale mede 63 centímetros de altura e tem 122 centímetros de envergadura.

Receita: Xale Aeolian de Elizabeth Freeman
Obs: a designer autorizou a publicação da tradução da receita para o português
Fio: Esterlina 5 – cor 197
Composição: 100% algodão
Agulha: circular número 3mm

Veja esse xale no Ravelry