um xale que reluz

Essa é a peça que tenho trabalhado nos últimos trinta dias. Foi tecida exclusivamente dentro de casa, com o maior cuidado, já que não queria correr nenhum risco com seu fio finíssimo e delicado. É um presente para minha tia Euzande. Evidentemente, enquanto tecia ia me lembrando de tantos momentos bons, de sua presença carinhosa e divertida.

Zande, esse xale é uma pequena amostra do amor que sinto por você. Que ele envolva você em boas energias, que irradie as boas lembranças, as risadas, as cartinhas que escrevi para você quando era criança, as viagens e tantas outras alegrias!

tricô em prosa - um xale que reluz - Xale Goldmarie

Foi minha prima Ana Luíza quem me disse que sua mãe gosta de amarelo. E eu tinha duas meadas guardadas no baú, de um amarelo que gosto muito, semelhante ao girassol.

Juntas elas somavam 860 metros de um fio muito macio, uma delícia na pele. Para que o xale não ficasse gigantesco, minha intenção era de usar pelo menos 600 metros. No final, o xale consumiu 535 metros e seu tamanho, ao meu ver, ficou excelente.

Achei o fio um pouco difícil de desmanchar. Sorte que tive de desmanchar pouquíssimas vezes. As meadas são do mesmo lote, mas ficou evidente que a segunda possui uma coloração mais intensa que a primeira. Dá para notar no barrado.

tricô em prosa - um xale que reluz - Xale Goldmarie

Para deixar o xale ainda mais especial, 540 contas de vidro foram tecidas nos motivos de folhas do barrado. As contas foram aplicadas com uma agulha de crochê fina o suficiente para passar pelo buraco da conta.

E fiz uma modificação ao tecer o gráfico do barrado: a receita instrui tecer as linhas 1 a 24 do gráfico C, depois repetir as linhas 5 a 18 e então passar para o gráfico D. Como eu queria aumentar mais um nível de folhas, teci as linhas do gráfico C da seguinte maneira: linhas 1 a 24, 5 a 24, 5 a 18 e só então passei para o gráfico D.

tricô em prosa - um xale que reluz - Xale Goldmarie

O xale é arrematado com correntinha de crochê. Bem, correntinha é a única coisa de crochê que (mal) sei fazer. E ainda tenho de me concentrar bastante para que ela não fique rígida.

Uma noite cheguei do trabalho determinada a arrematar o xale. Levei quase quatro horas, mas terminei! Minha concentração foi tamanha que não percebi minha má postura nem o quanto estava tensa.

Na manhã seguinte minha coluna doía tanto que eu mal conseguia andar. O xale estava finalizado, eu morria de vontade de bloqueá-lo na forma final, mas qualquer movimento que eu fizesse me causava dor. Só consegui molhar a peça e esticá-lo três dias depois.

tricô em prosa - um xale que reluz - Xale Goldmarie

Não é a primeira vez que eu tricoto essa receita. Já tinha usado seus gráficos para tecer uma blusa de algodão no ano passado. E com certeza vou usá-los novamente. Adoro esse ponto de folhas.

Agora preciso embalar o presente e enviar!

Receita: Xale Goldmarie de Sue Berg
*A designer autorizou a tradução da receita para o português
Fio: Malabrigo Yarn Lace – cor Sunset
Composição: 100% lã merino
Agulha: circular 3,50mm de 1 metro de comprimento

Veja esse projeto no Ravelry

receita traduzida – Goldmarie

Faz tempo que procuro uma blog Tricô em Prosa - Tradução autorizada da receita do xale Goldmarie receita para usar com duas meadas de um fio especial que está guardado no meu baú. Quero usá-lo para tecer um xale.

Procurei minhas receitas de xale favoritas na minha conta do Ravelry e na minha fila de futuros projetos. Tantas possibilidades que não conseguia me decidir.

Foi então que me apaixonei… de novo.

Eu já tinha usado os gráficos dessa receita para tricotar uma blusa de verão com um fio 100% algodão, fresquinho. A fotografia à esquerda mostra um detalhe dessa blusa.

Bem, a designer Sue Berg gentilmente autorizou a tradução da receita para o português. O arquivo em formato PDF pode ser baixado do Ravelry em http://www.ravelry.com/patterns/library/goldmarie

Thank you very much, Sue!

Obs: para baixar a receita, acesse o link Ravelry_FreeDownloadacima, procure o quadrinho ao lado na coluna direita e clique em “download“. Veja nessa imagem outra maneira de baixar a tradução.

cardigã do vovô para o bebê

Eu estava morrendo de vontade de tricotar um casaquinho bem charmoso para manter o Joaquim quentinho e protegido, ele que é o bebê mais feliz e sorridente que já conheci. A receita estava guardadinha para ele, comprada há mais de um ano.

O casaquinho foi tecido com muito zelo. Algumas etapas foram rápidas, outras eu tive de refazer. O mais importante: ficou do jeito que eu queria e isso vale muito a pena.

blog tricô em prosa - cardigã do vovô - Cardigã Gramps

Ele é trabalhado sem costuras de baixo para cima. Montam-se os pontos da barra do casaco e tricota-se da barra até a cava das mangas. As mangas são tecidas separadas e depois são unidas ao corpo do casaco. Tricota-se a pala ao mesmo tempo que fazemos as diminuições das mangas raglã. Por último, levantamos os pontos da gola e da tira de abotoamento do casaco. Sem nenhuma costura, com exceção de uma dúzia de pontos em cada cava do braço.

a amostra

Minha primeira providência foi tricotar uma amostra para substituir o fio indicado na receita. Teci a primeira amostra no dia dos namorados, ou no dia da abertura da Copa do Mundo, durante o jogo do Brasil contra a Croácia. Nem cheguei a medir visto que a trama ficou frouxa demais. Usando agulhas menores, teci a segunda amostra que molhei, esperei secar e só então medi: certíssimo.

Decidi fazer o tamanho indicado para quatro anos para o Joaquim que completará dois anos em outubro, porque a modelagem do casaco é justa.

Montei os pontos da barra e rapidamente iniciei para as tranças. Que delícia de receita. Quando a peça media 21 centímetros, era hora de iniciar a modelagem do decote em V.

blog tricô em prosa - cardigã do vovô - Cardigã Gramps

Nesse ponto eu tive de parar para estudar em que ponto iniciaria as diminuições do decote de maneira que as tranças resistissem por mais tempo.

A receita trazia poucas instruções nesse sentido. Na descrição da receita no Ravelry, encontrei o link para uma publicação onde a designer explica que não faria sentido colocar as instruções detalhadas para cada tamanho. E ela tem razão. Ela deu uma dica de rearranjar os pontos trançados na agulha antes de fazer as diminuições do decote. Funcionou muito bem.

blog tricô em prosa - cardigã do vovô - Cardigã Gramps

Eu desenhei um gráfico com lápis e borracha para auxiliar. Nele desenhei as tranças, enumerei as carreiras e comecei a delinear onde seriam as diminuições do decote e até as da manga raglã, que iniciariam em poucas carreiras. Pude ver como eu trabalharia toda a pala. Foi bom investir tempo nesse gráfico porque me deu confiança e me mostrou que as tranças durariam um pouquinho mais se eu iniciasse o decote na carreira anterior à que eu estava.

mangas e pala

Os pontos das mangas foram montados num sábado, dia do jogo do Brasil contra Chile.

Muita gente no Ravelry reclamou que as mangas ficavam muito justas. Por precaução eu montei quatro pontos a mais. Teci metade da manga recusando-me a admitir que ela ainda estava muito justa. Finalmente desmanchei e montei oito pontos a mais que a quantidade pedida na receita.

Com a possibilidade de passar sete horas de viagem no banco do passageiro, preparei minha bolsa de tricô. Levei a manga iniciada, o corpo do casaco, tesoura, um novelo a mais, marcadores de pontos, agulha de tapeçaria e restinhos de fios. Até o gráfico com as diminuições do decote eu levei.

blog tricô em prosa - cardigã do vovô - Cardigã Gramps

Minha intenção era retornar da viagem de quatro dias com as mangas tecidas e unidas ao corpo do cardigã. A realidade foi bem diferente: durante a ida eu terminei a primeira manga e durante o retorno concluí a segunda.

De volta à casa, uni as mangas ao corpo e finalizei a pala em poucos dias. Aos poucos, os pontos diminuídos do decote V e das mangas raglã consumiam as tranças da pala, como era de se esperar. A aparência da pala ficou bem natural.

a tira de abotoamento e a gola

Os pontos da tira de abotoamento são levantados ao longo da frente direita do casaco, continua nos pontos “vivos” (não foram arrematados) da gola e são seguidos de pontos levantados na frente esquerda do casaco. Um total de 202 pontos levantados, que devemos tricotar aberto, virando o trabalho ao chegar no fim da carreira.

A forma arredondada da gola é obtida com carreiras encurtadas. Para trabalhar essas carreiras encurtadas eu usei essa técnica que foi compartilhada pela generosa Beatriz Medina no grupo de discussão de tricô que participo. É uma técnica espetacular: além de muito fácil, o acabamento é tão perfeito que não tem como ver onde a peça foi virada.

Eu fiz quatro casas para os botões trabalhadas numa única carreira (one row buttonhole.

não! um erro grotesco

Enquanto arrematava a gola usando o arremate surpreendentemente elástico da Jeny, pensava que seria legal escrever um passo-a-passo sobre esse arremate.

Foi nessa hora que vi um erro absurdo na parte final da pala. Eu mal acreditava nos meus olhos. Por alguma razão eu não mantive o padrão de intercalar tranças à direita com tranças à esquerda, justamente o que dá o efeito entrelaçado. Simplesmente trabalhei todas as tranças à esquerda.

blog tricô em prosa - cardigã do vovô - Cardigã Gramps

Pausa para desmanchar toda a gola e depois desmanchar toda a pala. Retornei ao ponto onde as mangas são unidas ao corpo. Decidi aproveitar para fazer duas alterações.

Primeira alteração: no quadrado da fotografia abaixo vemos uma coluna de quatro pontos meia que divide a manga raglã da pala. Vou alterar para que fique com três pontos.

blog tricô em prosa - cardigã do vovô - Cardigã Gramps

Segunda alteração: a tira de abotoamento é trabalhada em barra 2×2, iniciando e terminando com 2m. Na fotografia abaixo vemos que os primeiros 2m mais parecem 1m porque o primeiro ponto se curva para dentro. Vou iniciar e terminar com 3m, mas vou manter a barra 2×2 no restante do trabalho.

blog tricô em prosa - cardigã do vovô - Cardigã Gramps

Uma semana mais tarde, eu tinha refeito tudo!

A pala exibia as tranças nas direções certas e era separada da manga por uma coluna de três pontos. A tira de abotoamento iniciada e finalizada com 3m realmente ficou com um visual mais coerente com o restante.

blog tricô em prosa - cardigã do vovô - Cardigã Gramps

acabamento

Transferi os doze pontos da cava do braço e da manga para agulhas de pontas duplas e arrematei usando o arremate de três agulhas. Ficaram buracos enormes em cada extremidade do arremate. Desmanchei o arremate, levantei mais alguns pontos nas extremidades de cada agulha usando laçada torcida. Talvez os doze pontos iniciais de cada agulha tenham virado quatorze ou quinze. Funcionou muito bem. Ainda assim tive de fechar buraquinhos minúsculos que restaram quando fui embutir as pontas.

Escolhi botões de madeira para combinar com o casaco.

blog tricô em prosa - cardigã do vovô - Cardigã Gramps

Quando montei os pontos desse casaquinho, achei que terminaria em duas semanas. A triste verdade é que não tenho tanto tempo para tricotar. No meio da semana, só tricoto algumas noites. Nos fins-de-semana tenho mais tempo, mas nem sempre. E olha que eu tricotei esse casaquinho em todas as oportunidades que tive: levei na bolsa, levei ao clube para tricotar depois da academia, levei na viagem. Mesmo assim demorou um mês e meio para terminá-lo.

Achei uma delícia fazer essa peça. É uma receita muito bonita, nem um pouco monótona e com certeza vou tricotá-la novamente. A receita é paga, mas nem tudo é explicado. Temos de ponderar, pensar bastante no que deve ser feito. Acredito que essa receita seja mais indicada para uma tricoteira com mais experiência.

Meu marido acha que é o casaquinho mais bonito que já tricotei até hoje.
Eu acho que ele tem razão!

Receita: Cardigan Gramps de Kate Oates (pode ser comprada também no Ravelry)
Fio: Cisne Cetim – cor 04026
Composição: 70% acrílico, 30% lã
Agulhas: circulares de numeração 3,50mm e 4,00mm

Veja esse projeto no Ravelry

morango para aquecer

Esse é meu presente para a Ana Laura, uma bebezinha que logo logo vai descobrir nasceu na família mais amorosa que poderia existir.

Esse casaquinho faz conjunto com os sapatinhos de morango que terminei semana passada. Casaco e sapatinhos foram tricotados simultaneamente. Quando os sapatinhos entraram naquela fase dos adornos (flor e sementes) e tantos acabamentos, montei os pontos do casaco e levei na bolsa para tricotar em qualquer lugar.

blog tricô em prosa - Casaco Helena com receita traduzida para o português

É a segunda vez que eu tricoto essa receita e mais uma vez foi uma imensa alegria. É uma receita deliciosa de seguir.

Escolhi o tamanho três meses, mas acho que servirá a partir dos seis meses até um ano de idade.

Inicialmente eu queria tricotar o casaco todo em vermelho. O fio verde seria usado apenas para nas extremidades do casaco, ou seja, nas bainhas em picot das mangas e do corpo além da barra frontal e gola.

blog tricô em prosa - Casaco Helena com receita traduzida para o português

Mas o fio vermelho acabou na segunda repetição dos pontos rendados da saia, e eu nem tinha tecido as mangas. Como esse fio saiu de linha alguns anos atrás, estava cogitando desmanchar tudo, comprar outro fio e recomeçar. Então meu marido me deu a ideia de tecer a saia em verde.

Adorei o resultado!

blog tricô em prosa - Casaco Helena com receita traduzida para o português

A única modificação que fiz foi nas amarras, que trabalhei em i-cord e acrescentei uma pequena folha nas pontas, idêntica àquela que fiz nas amarras do sapatinho.

Bem, eu escrevi para a designer e ela prontamente permitiu que eu publicasse a tradução para o português de sua receita adorável.

Espero que a Ana Laura se sinta aquecida e confortável com esse conjuntinho tecido especialmente para ela.

Receita: Helena de Alison Green
Obs: A designer autorizou a tradução da receita
Fio: Pingoin Noblesse nas cores 353 (cereja) e 1642 (seiva)
Composição: 70% acrílico, 30% lã
Agulhas: circulares de numeração 3,50mm e 1 metro de comprimento

Veja esse casaco no Ravelry

um manto de flores

A vó Ziquinha é um exemplo. Uma das coisas que mais admiro nela é a naturalidade com que ela acompanha as mudanças de comportamento das novas gerações. Para ela é natural que os costumes mudem. Ela não faz comentários saudosistas, não julga nem compara. Ela respeita e apoia as escolhas dos filhos e netos. Nos sentimos amados, acolhidos e respeitados. Sua companhia é um deleite. Vó, um dia ainda serei tão jovem quanto você!

tricô em prosa - um manto de flores: xale Echo Flower tecido em algodão mercerizado

Eu queria mesmo era cobrir minha vovó de flores! Então decidi tricotar um xale de presente para ela. Um xale vermelho, porque é amor, porque é calor, é meu bocado de flores e mais flores para abraçá-la.

no começo, flores

Escolhi essa receita porque ela foi inspirada no xale Laminaria da talentosa Elizabeth Freeman, do qual compartilha um ponto de flores típico dos xales estonianos.

Montei os pontos do xale em março e fiz questão de tecê-lo no meu tempo, sem estipular prazos e sem atropelos. Esse xale foi tricotado basicamente nos sábados, domingos e feriados. Claro que durante os dias de semana eu tricotei, mas pouco.

Repeti o gráfico de flores 13 vezes porque queria um xale de tamanho maior.

trico em prosa - um manto de flores - xale Echo Flower

Eu tricoto usando o método continental, segurando o fio com a mão esquerda, de modo que o fio sempre fica naturalmente esticado. Para realizar o ponto estrela de dois para nove e também o ponto estrela de três para nove, eu precisava me atentar em manter esse fio bem frouxo.

Recomendo atenção nas linhas 1, 2 e 3 do gráfico de flores. Algumas vezes ao realizar a linha dois do gráfico, no avesso do trabalho, deixei cair um dos nove laços do ponto estrela e todos os demais laços se desmancharam. Tive de desmanchar até aquele ponto na carreira anterior para refazer a estrela. O mesmo ocorre se algum ponto acima da estrela cair ao trabalhar a linha três, as pétalas viram um emaranhado de fios. Eu cometi esse erro na linha três duas vezes e tive de desmanchar até a linha um para refazê-la.

borda e barrado

Depois de concluir o gráfico das flores devemos primeiro tecer os gráficos da borda, que são três gráficos, e só então tecer o gráfico do barrado.

A novidade dos gráficos de borda é que neles temos de realizar os nupps. Escolhi fazer os nupps com nove voltas, e não sete. Com a ajuda desse vídeo aprendi a fazê-los com uma agulha de crochê. Fica bem mais fácil. Primeiro usei uma agulha de crochê de numeração 3,5mm. Entretanto, ficou bem mais confortável depois que a troquei por outra de numeração 2,5mm.

trico em prosa - um manto de flores - xale Echo Flower

Enquanto tecia a borda, surgiu uma oportunidade de visitar minha avó. Se conseguisse terminar o xale em dez dias eu poderia entregá-lo para ela. Naquela etapa, terminar em dez dias, tricotando apenas de noite, seria: a) terminar a borda, b) tecer o gráfico do barrado, c) embutir as pontas, d) bloquear, e) esperar secar. Não, impossível em dez noites. Isso foi um pouco desanimador. Durante a semana que antecedeu essa visita eu não toquei mais no pobre xale. Só voltei a tricotá-lo uma semana depois, quando surgiu uma oportunidade de visitar meus pais!

Armei-me de paciência ao tecer a primeira linha do gráfico do barrado. É a mais lenta de se trabalhar porque combina nupps com ponto estrela de dois para nove em cada repetição.

trico em prosa - um manto de flores - xale Echo Flower

Arrematar os pontos também levou muito tempo. Eu não arrematei com fio duplo, foi com fio simples mesmo. Na fotografia acima está o xale do jeito que saiu das agulhas, todo amassadinho.

banho e dos alfinetes

Engraçado como em nenhum momento, enquanto tricotava esse xale, achei que os pontos ficariam parecidos aos das dezenas de fotografias dessa receita que vi no Ravelry. Tudo seria resolvido no momento em que a peça fosse molhada e alfinetada bem esticadinha, eu pensava. Não foi o que aconteceu. Depois de bloqueado na sua forma final, eu ainda não reconhecia os pontos na minha frente.

trico em prosa - um manto de flores - xale Echo Flower

O que eu via era tão estranho que tive de analisar melhor aquela trama. Talvez os laços dos pontos estrela estivessem muito frouxos. Talvez não soube dar forma ao xale. Talvez seria apenas o cansaço, já era noite. Amanhã, mais descansada, bloquearia o xale novamente. No dia seguinte, antes de mergulhar a peça na água, joguei o xale sobre os ombros e fui olhar no espelho. Ali na minha frente, reconheci os pontos do xale, ali estavam os pontos que queria ver. Ufa!

Antes de bloqueá-lo em sua forma final, o xale media 88 centímetros de envergadura por 48 centímetros de altura. Suas dimensões cresceram para 122 centímetros de envergadura por 62 centímetros de altura.

Ele pesa 176 gramas. Foram quatro bolas de Coats Corrente Esterlina 5, sendo que usei muito pouco fio da quarta bola. O fio da terceira bola acabou quando faltava apenas três carreiras do gráfico do barrado mais o arremate para terminar.

Receita: Echo Flower Shawl de Jenny Johnson Johnen
Fio: Coats Corrente Esterlina 5 na cor 34, 4 bolas
Composição: 100% algodão
Agulhas: circular Addi Lace numeração 3,50mm de 1 metro de comprimento

Veja esse projeto no Ravelry